Serasa emite importante comunicado aos brasileiros que têm dívidas antigas; confira

A Serasa esclarece que dívidas antigas permanecem válidas e cobráveis, mas não podem negativar o nome após cinco anos. Negociar essas dívidas pode melhorar sua saúde financeira.

Muitos brasileiros carregam o fardo de dívidas antigas, sem saber exatamente como essas obrigações afetam seu status financeiro após o período de cinco anos. 

Recentemente, a Serasa esclareceu dúvidas comuns sobre dívidas consideradas “caducas”. Este artigo explora as diretrizes fornecidas, abordando a validade das dívidas após a prescrição e os efeitos nos registros de crédito. 

Com estas informações, os consumidores podem tomar decisões mais informadas sobre como lidar com suas finanças e melhorar sua situação creditícia.

Serasa emite importante comunicado aos brasileiros que têm dívidas antigas; confira
Serasa faz importante anúncio aos brasileiros – Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Dívidas antigas no Serasa: o que você precisa saber

No universo financeiro, a gestão de dívidas antigas pode gerar muitas dúvidas, especialmente quando se trata de obrigações financeiras que ultrapassam cinco anos, muitas vezes chamadas de dívidas “caducas”. 

A Serasa, uma das principais autoridades em crédito no Brasil, esclareceu recentemente algumas nuances importantes sobre como essas dívidas são tratadas legalmente e quais são os impactos para o consumidor.

O que são dívidas caducas?

Contrariamente à crença popular, dívidas não desaparecem automaticamente após cinco anos. 

Conforme esclarecido pela Serasa em um comunicado oficial, essas dívidas continuam válidas e podem ser cobradas, dependendo da natureza do contrato. 

A legislação brasileira especifica que a prescrição das dívidas varia: contratos escritos podem levar até dez anos para prescrever, enquanto contratos verbais ou de prestação de serviços têm um prazo de prescrição de cinco anos.

Efeitos da prescrição

Após o prazo de prescrição, a dívida não é extinta; ela apenas perde a capacidade de ser exigida judicialmente ou de impactar negativamente o crédito do indivíduo nos cadastros de proteção ao crédito, como Serasa e SPC. 

Isso significa que, embora a dívida não possa mais ser usada para negativar o nome do devedor, as empresas credoras ainda podem realizar cobranças de forma amigável.

Negociação de dívidas antigas

Negociar uma dívida antiga pode ser uma estratégia eficaz para limpar o nome e melhorar a saúde financeira. 

Muitas empresas oferecem condições especiais, como descontos significativos ou possibilidade de parcelamento, para incentivar o pagamento. 

Ferramentas como o “Serasa Limpa Nome” facilitam a negociação e quitação de dívidas online, muitas vezes com condições vantajosas para o consumidor.

Consulta de CPF e regularização

Manter a situação cadastral do CPF regularizada é fundamental para acessar serviços financeiros e realizar transações comerciais. 

O Serasa (https://www.serasa.com.br/) oferece uma ferramenta online que permite consultar rapidamente a situação cadastral do CPF, garantindo que o consumidor possa manter sua vida financeira e comercial em ordem.

Veja também: Serasa, alerta de BLOQUEIO no CPF e 8 terrores aos brasileiros; entenda o COMUNICADO importante

Saiba como renegociar dívidas com o Desenrola Brasil 

O programa Desenrola Brasil, lançado pelo Governo Federal em 2023, visa oferecer aos brasileiros uma nova chance de renegociar suas dívidas em atraso. 

Em parceria com o Serasa Experian, o programa oferece condições especiais para quitação de débitos com empresas participantes.

Vantagens do Serasa e Desenrola Brasil

Estes são os benefícios da parceria:

  • Descontos de até 90% no valor da dívida: O programa oferece descontos de até 90% no valor total da dívida, dependendo do valor original e do tempo de atraso.
  • Parcelamento em até 240 meses: As dívidas podem ser parceladas em até 240 meses, com juros baixos, facilitando o pagamento.
  • Entrada facilitada: A entrada para o programa pode ser feita com valor mínimo de R$ 50,00, tornando o programa acessível para todos.
  • Limpeza do nome no Serasa: Após a quitação da dívida, o seu nome é limpo no Serasa Experian, permitindo que você volte a ter acesso ao crédito.

Veja também: Serasa anuncia novo perdão de dívidas para estes brasileiros; veja como participar

FGTS: estratégias de gestão para melhorar a recuperação de dívidas

A gestão do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) está passando por mudanças significativas, com a transferência da responsabilidade das dívidas da Caixa Econômica Federal para o Ministério da Fazenda.

Esta nova abordagem visa aprimorar a eficiência na recuperação de ativos e traz benefícios tanto para os trabalhadores quanto para a administração pública.

Com a implementação do FGTS digital em março deste ano, o processo de recuperação de dívidas promete ser mais rápido e transparente.

Aproximadamente 239 mil empregadores já estão inscritos na dívida ativa do FGTS, e a eficaz recuperação desses débitos é crucial.

Essas melhorias não apenas facilitam a administração dos recursos, mas também garantem que eles sejam usados de forma eficaz para financiar projetos importantes em habitação e infraestrutura, refletindo no desenvolvimento social e econômico do país.

Governadores e Senado discutem refinanciamento das dívidas estaduais

Governadores de cinco estados brasileiros, incluindo Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul e Goiás, reuniram-se com o Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, para discutir o refinanciamento das dívidas estaduais.

Durante o encontro, eles buscaram uma renegociação justa das dívidas com a União, propondo que as dívidas sejam corrigidas pelo IPCA mais 1%.

Também foi sugerido que ativos dos governos estaduais, como a federalização de estatais, possam ser utilizados para abater dívidas.

A proposta de renegociação, que envolve significativas contrapartidas como a ampliação do ensino técnico estadual, foi inicialmente apresentada pelo Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, no final de março.

Essa discussão é crucial, dado que quase 90% das dívidas dos estados, que totalizam cerca de R$ 740 bilhões, estão concentradas nos quatro estados mencionados.