Entenda o que é a aposentadoria PROGRAMADA e saiba quais as principais regras

As mudanças no sistema previdenciário de 2024 introduzem regras atualizadas para aposentadoria, visando oferecer benefícios mais justos e adaptados às necessidades dos trabalhadores.

Em 2024, o INSS implementou mudanças significativas na previdência, afetando milhares de trabalhadores brasileiros com a introdução de novas regras para a aposentadoria programada, aposentadoria imediata para casos de saúde e condições exclusivas para professores.

Essas alterações visam adaptar o sistema previdenciário às necessidades atuais dos segurados, enfatizando a idade mínima e o tempo de contribuição como fatores decisivos.

Entenda o que é a aposentadoria PROGRAMADA e saiba quais as principais regras
Conheça a aposentadoria programada. Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Aposentadoria mais simplificada

A aposentadoria programada emerge como um destaque, prometendo um processo de transição mais simplificado para a inatividade, enquanto a aposentadoria imediata oferece uma alternativa para aqueles com desafios de saúde significativos.

Para os professores, as mudanças reconhecem a singularidade de sua contribuição para a sociedade, ajustando os requisitos para refletir as particularidades da profissão.

Veja também: Quando o INSS deixa de EXIGIR carência para a aposentadoria por invalidez? Conheça seus direitos!

O que é a aposentadoria programada e como ela funciona?

A aposentadoria programada é uma modalidade de aposentadoria que foi introduzida com o objetivo de simplificar e tornar mais previsível o processo de transição para a inatividade laboral para os trabalhadores brasileiros.

Essa modalidade leva em consideração principalmente dois critérios: a idade mínima e o tempo de contribuição do trabalhador. Dessa forma, permite que os segurados planejem melhor o momento de sua aposentadoria, oferecendo uma estrutura mais clara e justa.

A ideia é que, ao atingir a idade mínima estabelecida – 62 anos para mulheres e 65 anos para homens – e cumprir o tempo mínimo de contribuição – 15 anos para mulheres e 20 anos para homens –, o trabalhador possa solicitar sua aposentadoria, garantindo assim um benefício.

Esse modelo busca equilibrar a sustentabilidade do sistema previdenciário com as necessidades dos trabalhadores, promovendo uma aposentadoria mais acessível e planejada.

Veja também: Confira as regras para se aposentar MAIS CEDO pelo INSS; processo é mais simples do que parece!

Quais são os requisitos de idade e contribuição para a nova aposentadoria?

Para a nova aposentadoria programada, introduzida pelas reformas previdenciárias de 2024, os requisitos essenciais baseiam-se na idade e no tempo de contribuição dos trabalhadores.

As novas regras estabelecem uma idade mínima de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens para poderem requerer a aposentadoria. Além disso, é necessário que as mulheres tenham contribuído por no mínimo 15 anos, enquanto os homens precisam de um tempo mínimo de contribuição de 20 anos.

Essas mudanças visam proporcionar um equilíbrio entre a viabilidade do sistema previdenciário e as expectativas dos trabalhadores, garantindo que a aposentadoria seja justa e acessível.

Adicionalmente, para os professores, que têm regras específicas devido à natureza de sua profissão, a pontuação mínima requerida para aposentadoria é de 86 para mulheres e 95 para homens, com a necessidade de um tempo de contribuição de 25 anos para mulheres e 30 anos para homens.

Veja também: Notícia NADA boa para aposentados com CPFs final 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9; você precisa saber!

Novas diretrizes para prova de vida do INSS estendem flexibilidade até 2024

O INSS adotou novas regras para a prova de vida dos beneficiários, visando facilitar o processo e evitar bloqueios ou suspensões de benefícios até 31 de dezembro de 2024.

Agora, o próprio INSS é responsável por verificar a vivacidade dos beneficiários por meio de cruzamento de dados com outras bases governamentais, principalmente biometrias.

Essa mudança elimina a necessidade de deslocamento físico dos beneficiários para realizar a prova de vida. A portaria publicada no Diário Oficial da União também ajusta o período de comprovação para 10 meses a partir da última atualização do benefício ou da última prova de vida realizada.

Benefícios como aposentadorias, pensões por morte e auxílios por incapacidade estão inclusos nesta medida. A comprovação pode ser feita presencialmente, nos caixas eletrônicos do banco pagador, ou digitalmente, pelo aplicativo gov.br, utilizando reconhecimento facial.

O INSS também buscará dados em outras bases federais para complementar a comprovação de vida, visando garantir a continuidade dos benefícios sem interrupções indevidas.