Até qual versão do iPhone ainda vale a pena comprar? Lista reúne os melhores ‘antigos’!

Muitas pessoas têm dúvidas sobre qual versão do iPhone ainda vale a pena. Por exemplo, os modelos de botão já são vistos como muito ultrapassados.

Na hora de escolher um iPhone, muitos se perguntam até que ponto vale a pena investir em um modelo mais antigo. Hoje em dia, um celular deve ser mais atual para atender às necessidades dos usuários.

Com o lançamento do iPhone 15, os modelos anteriores ainda prometem atualizações por alguns anos, mas qual deles é o verdadeiro campeão em custo-benefício para 2024? Confira!

Você ainda não sabe qual versão do iPhone é melhor para você? Veja modelos que ainda valem a pena!
Você ainda não sabe qual versão do iPhone é melhor para você? Veja modelos que ainda valem a pena! / Foto: divulgação

Conectividade e atualizações: o que considerar

O primeiro ponto a se considerar é a conectividade 5G, disponível a partir do iPhone 12. Isso garante que você não ficará para trás nas novas tecnologias de rede.

Além disso, a capacidade de atualização do sistema operacional é crucial. Modelos mais antigos podem rapidamente se tornar obsoletos, perdendo acesso a novos recursos do iOS.

Preço: o fator decisivo para cada versão do iPhone

Embora a Apple não costume praticar descontos significativos, é possível encontrar modelos anteriores com preços mais acessíveis, especialmente após o lançamento de uma nova geração. Pesquisar é a chave para encontrar a melhor oferta.

Diferenças entre os modelos

Desde o iPhone SE de terceira geração até o mais recente iPhone 15, cada modelo oferece melhorias incrementais, especialmente nas câmeras e na capacidade de processamento.

O iPhone SE, por exemplo, é o mais acessível, enquanto o iPhone 14 se destaca como uma opção equilibrada entre preço e recursos atualizados.

A escolha inteligente

Considerando preço, atualizações futuras e recursos, o iPhone 14 surge como uma escolha inteligente para quem busca um dispositivo atual sem comprometer o orçamento.

Para os aficionados por fotografia, o iPhone 15, com suas câmeras avançadas, pode valer o investimento extra.

Veja mais: O triste FIM de 5 varejistas tradicionais queridinho dos brasileiros; tempos sombrios

Escolha a melhor versão do iPhone para seu caso

Em resumo, ao escolher uma versão do iPhone, é essencial ponderar suas necessidades atuais e futuras, além do orçamento disponível.

Com uma pesquisa cuidadosa, é possível encontrar o modelo que melhor se adapta ao seu estilo de vida e às suas expectativas financeiras.

Cupons para te ajudar a escolher a melhor versão do iPhone

Na busca pelo iPhone perfeito, encontrar formas de economizar é sempre bem-vindo e os cupons de desconto surgem como uma excelente estratégia.

Seja você um fã da tecnologia Apple ou alguém procurando pela primeira experiência com um iPhone, entender como escolher e usar cupons de desconto pode fazer toda a diferença.

A arte de escolher o cupom certo

Com a crescente popularidade das compras online, a procura por cupons de desconto tem se tornado um hábito entre os consumidores.

Para quem deseja adquirir um iPhone, usar cupons pode significar uma economia significativa. Lojas e parceiros autorizados frequentemente oferecem descontos que podem ser aplicados na compra de modelos variados de iPhones, desde os mais recentes até versões anteriores ainda valiosas.

Alguns exemplos são a Méliuz, o Cuponomia, o Groupon ou o Cuponeria. Então, basta entrar nos sites que deseja comprar e apostar nesses itens.

Estratégias para máximo benefício

Ao optar por um cupom de desconto, considere alguns fatores para garantir que você esteja fazendo a escolha certa.

Primeiramente, verifique a validade do cupom e as condições de uso, como valor mínimo de compra ou produtos específicos. Além disso, compare os descontos disponíveis para garantir que você está obtendo o melhor negócio possível.

Para os entusiastas do iPhone, cupons de desconto podem ser uma maneira eficaz de adquirir o tão desejado dispositivo sem estourar o orçamento.

Veja mais: Bloqueio de R$ 400 milhões e milhares de brasileiros sem dinheiro: megaoperação trava movimentações