URGENTE: teto do juros do consignado CAI novamente e alegra beneficiários do INSS

Os beneficiários do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) podem contar com um novo teto de juros para empréstimos consignados. Entenda.

Em uma decisão recente que promete aliviar o orçamento de milhões de aposentados e pensionistas no Brasil, o Conselho Nacional da Previdência Social (CNPS) aprovou uma nova redução nas taxas máximas de juros para empréstimos consignados. 

Essa medida, a sexta desde março de 2023, visa tornar mais acessíveis os empréstimos e operações de cartão de crédito consignado para beneficiários do INSS, refletindo um esforço contínuo para ajustar as condições de crédito à realidade econômica dos cidadãos.

URGENTE teto do juros do consignado CAI novamente e alegra beneficiários do INSS
Confira o novo teto de juros do consignado – Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Conselho da Previdência reduz juros do consignado: o que muda para você?

Recentemente, uma medida impactante para beneficiários do INSS foi anunciada: a redução do teto de juros do empréstimo consignado. 

Esta decisão, tomada pelo CNPS, marca a sexta redução desde março de 2023, trazendo novas taxas máximas de juros para empréstimos consignados e operações de cartão de crédito consignado. 

Mas, o que isso realmente significa para aposentados e pensionistas? Vamos desvendar juntos este movimento financeiro e entender suas implicações.

O Impacto da redução de juros

A nova política estabelece que a taxa máxima para empréstimos com desconto na folha de pagamento será reduzida de 1,76% ao mês para 1,72%. 

Para operações nas modalidades de cartão de crédito e cartão consignado de benefícios, a taxa cai de 2,61% para 2,55% ao mês. 

Essas mudanças, embora pareçam pequenas, podem representar uma grande economia ao longo do tempo para milhões de brasileiros que dependem desses serviços.

Reduções anteriores e suas consequências

Desde março de 2023, o CNPS iniciou um ciclo de reduções nos juros, começando com uma diminuição do teto para 2,14%.

 Essa decisão inicial gerou um impasse com os bancos, levando a uma suspensão temporária da oferta de crédito consignado por grandes instituições. 

Após negociações, o teto foi ajustado para 1,97%, e desde então, outras reduções foram implementadas, acompanhando as diminuições na taxa Selic. 

Essas ações refletem um esforço contínuo para aliviar o fardo financeiro sobre os beneficiários do INSS.

O papel da CGU e a fiscalização dos limites

Em meio a essas mudanças, a Controladoria-Geral da União (CGU) realizou uma auditoria e descobriu que mais de um quinto dos contratos analisados possuíam taxas acima do teto estabelecido. 

Esse fato destaca a importância de uma fiscalização rigorosa para garantir que os limites sejam respeitados, protegendo os consumidores de práticas abusivas.

Veja também: Maneira INFALÍVEL de aumentar o seu score de crédito: funciona MESMO!

Afinal, vale a pena contratar essa modalidade de crédito? Entenda

O crédito consignado é uma modalidade de empréstimo amplamente utilizada no Brasil, conhecida por suas taxas de juros mais baixas e pela facilidade de obtenção. 

Neste tipo de crédito, as parcelas são descontadas diretamente do salário ou benefício do trabalhador, o que reduz significativamente o risco para o credor e possibilita condições mais favoráveis para o tomador do empréstimo.

Uma das principais vantagens do crédito consignado é a sua acessibilidade, uma vez que não exige análise de crédito rigorosa ou garantias adicionais, como ocorre em outros tipos de empréstimos. 

Além disso, as taxas de juros do crédito consignado costumam ser mais baixas do que as praticadas em outras modalidades de crédito pessoal, o que torna essa opção financeiramente atrativa para muitos consumidores.

No entanto, é importante ter cautela ao utilizar o crédito consignado, pois o desconto automático das parcelas pode comprometer uma parte significativa do orçamento mensal do tomador do empréstimo. 

Além disso, é fundamental comparar as condições oferecidas por diferentes instituições financeiras e avaliar a capacidade de pagamento antes de contratar o empréstimo consignado.

Veja também: INSS, lei do cartão de crédito, martelo batido por Lula e mais: confira HOJE (28)