Como será o processo de transição do Auxílio Brasil para o Bolsa Família?

Entenda o que vai mudar, como vai acontecer a migração entre os programas e o que será preciso para continuar recebendo o benefício.

A partir da aprovação da PEC da Transição pelo Congresso Nacional, vai acontecer nos próximos dias a transição do Auxílio Brasil para o Bolsa Família, processo que deve ser concluído somente em 2023. Os beneficiários precisam ficar atentos para os critérios que serão exigidos para a manutenção dos pagamentos.

Atualmente, cerca de 21 milhões de famílias recebem o Auxílio Brasil e estão apreensivas sobre como vai funcionar a migração para o Bolsa Família. Algumas mudanças importantes estão previstas para acontecer, como a convocação para atualização dos dados e a inclusão de um valor adicional para algumas famílias.

Neste momento, é importante ficar atento a qualquer notificação e convocação para comparecer ao Centro de Referência de Assistência Social (Cras), responsável pelo Cadastro Único que permite a inclusão no programa de transferência de renda. O calendário de pagamento do próximo ano deve ser divulgado a qualquer momento.

Como será o processo de transição do Auxílio Brasil para o Bolsa Família?
Os beneficiários devem ficar atentos para as mudanças que estão previstas. Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Transição do Auxílio Brasil

A aprovação da PEC da Transição já se tornou lei e foi determinante para os rumos do Auxílio Brasil. O benefício entrou em vigor em novembro de 2021, em substituição ao Bolsa Família, na ocasião aconteceu basicamente uma transferência dos beneficiários do antigo para o novo programa, sem grandes alterações.

Como o Auxílio Brasil foi instituído pelo governo do presidente Jair Bolsonaro e quem assume a presidência em 2023 é Lula, o petista tomou a decisão de colocar um fim no Auxílio Brasil. Desde que foi eleito, Lula trabalha com sua equipe de transição para conseguir a manutenção das parcelas mensais no valor de R$ 600, isso porque o orçamento de Bolsonaro para 2023 pretendia retornar com as parcelas de R$ 405.

Dessa forma, a tendência é que a transição entre os dois programas ocorra de modo semelhante com o que aconteceu em 2021, uma migração automática dos beneficiários do Auxílio Brasil para o Bolsa Família. No entanto, para que isso acontece as famílias precisam estar com os dados atualizados no CadÚnico.

Quem tiver com alguma pendência ou desejar se inscrever pela primeira vez deve procurar o Cras mais próximo. Além disso, é preciso se encaixar nas regras de elegibilidade do programa, que também devem ser mantidas.

Saiba mais: Parcela EXTRA do Auxílio Brasil é confirmada? Quem poderia receber?

Bolsa Família 2023

Para receber o Bolsa Família 2023 é preciso que a família tenha renda mensal de meio salário mínimo por pessoa ou de até três salários mínimos como renda familiar. O benefício tem como objetivo acabar com a pobreza no Brasil, oferecendo melhores condições de vida para as famílias em situação de pobreza e pobreza extrema.

Haverá a retomada de alguns critérios ao programa, confira:

  • Atualização da carteira de vacinação;
  • Comprovante de matrícula escolar das crianças e adolescentes;
  • Pré-natal para gestantes;
  • Acompanhamento de mães que amamentam.

Uma novidade do Bolsa Família 2023 será o adicional de R$ 150 por criança de até 6 anos de idade na família. Ainda não foi divulgada nenhuma informação oficial sobre o empréstimo consignado do Auxílio Brasil, se vai ou não continuar a ser oferecido com o fim do programa. O calendário de pagamento do Bolsa Família 2023 deve ser divulgado nos próximos dias, seguindo a ordem de pagamento do NIS.

Saiba mais: Benefício com parcelas de R$ 900,00: quais os requisitos para RECEBER mensalmente?