Se você trabalhou no mínimo 30 dias de carteira assinada pode ter direito ao SAQUE de R$ 117,00

Descubra como trabalhadores de carteira assinada podem sacar entre R$ 117 e R$ 1.412 através dos programas PIS/PASEP, melhorando sua situação financeira e sentindo o reconhecimento do seu trabalho.

Em um mundo financeiro repleto de oportunidades e desafios, a Caixa Econômica Federal apresenta uma excelente notícia para trabalhadores de carteira assinada.

Este artigo explora o direito ao saque de valores entre R$ 117 e R$ 1.412, destinados a quem trabalhou pelo menos um mês sob a CLT. Confira. 

Se você trabalhou no mínimo 30 dias de carteira assinada pode ter direito ao SAQUE de R$ 117,00
Trabalhadores de carteira assinada podem sacar PIS/Pasep – Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Você trabalhou um mês com carteira assinada? descubra o direito ao saque de R$ 117!

Em um país onde a distribuição equitativa de recursos é um constante debate, a Caixa Econômica Federal trouxe uma ótima notícia para os trabalhadores assalariados. 

Se você atuou sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) por ao menos um mês, há uma surpresa esperando: a possibilidade de sacar valores entre R$ 117 e R$ 1.412. 

Este benefício se apoia nos programas de integração social, como o PIS (Programa de Integração Social) e o PASEP (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público), pilares na estrutura de benefícios sociais do Brasil.

Quem pode sacar o PIS/Pasep?

Para se qualificar, alguns critérios devem ser atendidos: o trabalhador deve estar cadastrado no PIS/PASEP há pelo menos cinco anos, ter recebido até dois salários mínimos mensais no ano anterior e ter trabalhado por, no mínimo, 30 dias nesse período. 

É crucial que os dados tenham sido corretamente informados pelo empregador à Relação Anual de Informações Sociais (RAIS).

Calendário e prazo de pagamento

O calendário de pagamentos é organizado de acordo com o mês de nascimento do trabalhador de carteira assinada, garantindo que todos os elegíveis tenham acesso aos seus benefícios de forma eficiente. 

  • Nascidos em janeiro já podem sacar o pagamento desde 15/02/2024;
  • Nascidos em fevereiro poderão sacar o pagamento a partir de 15/03/2024;
  • Nascidos em março e abril poderão sacar o pagamento a partir de 15/04/2024;
  • Nascidos em maio e junho poderão sacar o pagamento a partir de 15/05/2024;
  • Nascidos em julho e agosto poderão sacar o pagamento a partir de 17/06/2024;
  • Nascidos em setembro e outubro poderão sacar o pagamento a partir de 15/07/2024;
  • Nascidos em novembro e dezembro poderão sacar o pagamento a partir de 15/08/2024.

Vale destacar que os servidores públicos recebem o Pasep seguindo o último algarismo no número de inscrição no programa. Veja. 

  • Quem tem o final 0 já pode sacar o pagamento desde 15/02/2024
  • Quem tem o final 1 poderá sacar o pagamento a partir de 15/03/2024
  • Quem tem o final 2 ou 3 poderá sacar o pagamento a partir de 15/04/2024
  • Quem tem o final 4 ou 5 poderá sacar o pagamento a partir de 15/05/2024
  • Quem tem o final 6 ou 7 poderá sacar o pagamento a partir de 15/06/2024
  • Quem tem o final 8 poderá sacar o pagamento a partir de 15/07/2024
  • Quem tem o final 9 poderá sacar o pagamento a partir de 15/08/2024.

Veja também: PIS/Pasep tem destino decidido? Descubra se você já pode receber o novo abono salarial

Como calcular o valor do PIS/Pasep?

Tanto os trabalhadores de carteira assinada, quanto os servidores públicos, podem receber o PIS/Pasep de acordo com o tempo trabalhado. Veja a tabela. 

  • 1 mês trabalhado: R$ 117,67;
  • 2 meses trabalhados: R$ 235,34;
  • 3 meses trabalhados: R$ 353,01;
  • 4 meses trabalhados: R$ 470,68;
  • 5 meses trabalhados: R$ 588,35;
  • 6 meses trabalhados: R$ 706,02;
  • 7 meses trabalhados: R$ 823,69;
  • 8 meses trabalhados: R$ 941,36;
  • 9 meses trabalhados: R$ 1.059,03;
  • 10 meses trabalhados: R$ 1.176,70;
  • 11 meses trabalhados: R$ 1.294,37;
  • 12 meses trabalhados: R$ 1.412,00.

Veja também: 6 serviços que podem ser afetados e INTERROMPIDOS, pânico entre os CLTs e a paralisação do FGTS: entenda!