Socorro! Minha restituição do IR não caiu na conta: e agora?

Com o fim da liberação dos lotes da restituição do Imposto de Renda, aqueles que não tiveram acesso ao dinheiro seguem incertos sobre o que pode ter acontecido.

A restituição do Imposto de Renda faz parte de um dos critérios da Receita Federal que levam em conta os rendimentos dedutíveis e  tributáveis do trabalhador brasileiro. Isto é, esse “cashback” da RF consiste na devolução de parte da quantia declarada, considerando os gastos que ele indivíduo teve ao decorrer do último ano.

Neste sentido, apesar da restituição ser um direito de todos aqueles que declaram o Imposto de Renda anualmente, podem acontecer algumas situações as quais implicam que o valor não seja liberado para o contribuinte. Em outros casos, a liberação pode não acontecer apenas por alguns erros.

De qualquer forma, é indispensável que todos aqueles que não tenham recebido a restituição dentro do prazo entendam o que pode ter acontecido. Isso porque, felizmente, na maioria dos casos, há solução. Ou seja, o dinheiro pode ser liberado após a resolução da situação.

Receita
Tudo sobre os problemas com a declaração / Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Saiba o que entra no cálculo da restituição do Imposto de Renda

Muita gente já declara o Imposto de Renda pensando no pagamento da restituição, no entanto, parte dessas pessoas sequer sabe como o valor é retornado para a conta dos contribuintes. Primeiramente, vale dizer que a restituição só é liberada mediante a devida comprovação dos gastos.

De uma forma mais clara, o contribuinte deve, indispensavelmente, informar na hora do envio da declaração quais foram suas despesas anuais. Essas despesas incluem:

  • Aluguel;
  • Gastos com dependentes;
  • Gastos com educação;
  • Gastos com saúde;
  • Gastos voltados à manutenção de equipamentos de trabalho;
  • Entre vários outros, seguindo a mesma lógica.

Contudo, os gastos só são realmente considerados quando são devidamente comprovados. Essa comprovação acontece através da apresentação de comprovantes de pagamento. Assim sendo, quanto mais gastos um contribuinte tiver, maior será o valor da restituição, desde que tudo tenha sido comprovado, conforme dito.

Veja também: Ministro manda recado importante sobre o Bolsa Família: aumento confirmado para 2024?

E o que fazer caso o valor não seja liberado, mesmo que com os gastos comprovados?

Bem, aqueles que comprovaram os devidos gastos, mas não puderam contar com a liberação do dinheiro, infelizmente, podem estar passando por alguma questão relacionada à Receita Federal. A primeira possibilidade está voltada para as informações propostas na declaração.

Isto é, é preciso cadastrar os dados bancários mediante o envio da declaração, afinal, é por ali que o dinheiro será liberado. Dessa forma, será preciso acessar a declaração e verificar se tudo está correto. Felizmente, a declaração pode ser modificada mesmo após 5 anos do envio.

Caso isso não seja possível, será necessário entrar em contato com o Banco do Brasil (bb.com.br), independente de qual seja o banco cadastrado para a liberação do dinheiro. Esse contato pode ser feito em até 1 ano.

Outras coisas que podem impedir o pagamento da restituição são:

  • Cadastrar contas de terceiros para o recebimento do dinheiro;
  • Malha-fina.

Em relação à malha-fina, ela pode incluir quaisquer pendências com a Receita, incluindo erros na declaração. Assim sendo, nesse caso, o dinheiro só será liberado após o acerto de todas as pendências.

Veja também: Lote de pagamento RESIDUAL da restituição do Imposto de Renda: consulte!