Presidente do Inep toma decisão INESPERADA sobre o Enem: alunos estão desapontados

Versão digital do exame, que vinha sendo aplicada desde 2019, não cumpriu as expectativas conforme o plano traçado. Veja!

O Ministério da Educação (MEC) tomou uma decisão inesperada, pegando milhares de alunos de surpresa na decisão publicada na manhã desta quarta-feira (8). Tata-se do cancelamento da aplicação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em formato digital. Quer saber mais sobre? Então, veja a seguir.

A decisão, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão ligado à pasta da Educação (MEC), é explicada devido aos altos custos de aplicação e o baixo interesse por parte dos candidatos. Nesse sentido, haverá a aplicação apenas da prova física. Acompanhe!

Fim de uma das versões de aplicação do exame, descubra qual. (Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br).

Fim do Enem Digital

Anunciado em 2019, o Enem Digital esteve disponível por apenas três anos. As provas eram idênticas ao modelo tradicional, mas os estudantes iam até os locais de aplicação e realizavam o exame num computador em vez de responder as questões no papel.

Em 2022, o Instituto ofereceu 100 mil vagas para a modalidade digital, mas apenas 65.066 estudantes se inscreverem e menos da metade estiveram presente. No 1º dia de aplicação, pouco mais de 32.376 compareceram aos locais de prova. Essa fatia equivale a apenas 49,7% dos inscritos. No 2º dia, os números são ainda piores: apenas 29.888 inscritos na modalidade fizeram o exame, uma parcela de 46%.

De acordo com Manuel Palácios, presidente do Inep, cada vez menos pessoas se interessaram pela prova digital.

“O exame era exatamente o mesmo [do que o impresso], não havia nenhuma vantagem para o estudante”, afirmou Palácios.

Saiba também: Decisão Judicial AUMENTA nota de candidatos do Enem: entenda a POLÊMICA! 

 Entenda a decisão

Um dos principais motivos, além da falta de interesse por parte dos estudantes em relação ao exame digital, são os custos operacionais. Isso porque o Enem digital custou R$ 25,3 mi em 2022, algo em torno de R$ 860 por candidato. Por outro lado, a versão impressa teve um custo de R$ 324 mi, cerca de R$ 160 por estudante que compareceu no dia da prova.

Nesse sentido, segundo Palácios, o alto custo da prova digital impede a expansão do formato. As aplicações em 2022 foram realizadas em 672 locais pelo país, em computadores custeados pelo próprio Inep. O formato havia sido anunciado pelo então ministro da Educação Abraham Weintraub, em 2019. O plano era que houvesse aumento gradual de aplicações até que o Enem fosse inteiramente digital em 2026, mas a realidade encontrada não condisse com a proposta, já que não houve aumento de vagas ou de inscritos desde o anúncio.

Quando serão aplicadas as provas do Enem 2023?

Estudantes de todo o Brasil já se preparam para o Enem 2023. Afinal, trata-se da principal porta de entrada para ingresso em instituições públicas de Ensino Superior no país. Até então, o que se sabe é que a aplicação das provas neste ano acontecerá nos dias 5 e 12 de novembro. As inscrições, por sua vez, poderão ser feitas entre os dias 8 e 19 de maio. A taxa deve custar R$ 85, assim como em 2022.

No entanto, não há nada divulgado em relação ao edital do Enem 2023 por parte do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Portanto, resta-nos esperar.

E você, já está se preparando para o exame deste ano? Acompanhe mais notícias com a gente!

Veja mais: Guia prático para usar sua nota do Enem no Fies, SiSU e Prouni 2023