PIX quebra barreira e ultrapassa cartão de débito: é o FIM dos cartões no Brasil?

Atualmente, o Pix já é utilizado por milhares de pessoas e são realizadas inúmeras transações todos os dias. Em breve, o sistema pode ter também a função crédito e representar o fim dos cartões no país.

O Pix foi criado pelo Banco Central em 2020, e é um sistema de pagamentos instantâneos. A saber, ele já é um dos métodos de pagamentos mais utilizados no Brasil. Inclusive, o número de Pix realizados já ultrapassa o número de transferências feitas através do cartão de débito.

Por isso, muitas pessoas se questionam se é o fim do uso dos cartões do Brasil. Abaixo, confira o que irá acontecer no cenário financeiro do nosso país.

O número de operações realizadas com o Pix já ultrapassa os 150 milhões diários. (Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br)

O Pix

O Pix é um método de pagamento instantâneo, e um dos mais rápidos que existe. Em poucos segundos, o valor enviado por esse sistema já está na conta do beneficiário. Para realizar a operação, é preciso ter apenas a chave Pix do beneficiário e o valor da operação.

De acordo com especialistas, o Banco Central desempenhou um importante papel ao criar o Pix, possibilitando o desenvolvimento de novas tecnologias e integrando a população brasileira aos meios digitais de pagamento. De fato, o Pix tornou-se um pagamento popular entre todas as classes, incluindo as menos favorecidas financeiramente.

Pela sua eficiência e também rapidez, o Pix é um dos sistemas mais usados pelos brasileiros para suas transações bancárias. Inclusive, segundo dados do Banco Central, atualmente o número de transferências instantâneas diárias ultrapassa os 150 milhões. Sendo assim, os números demonstram e reforçam a adesão dos brasileiros ao Pix.

Além de ser um sistema de pagamentos efetivo, é interessante lembrar que o Pix não possui taxas. Por isso, os usuários podem transferir quantas vezes precisarem por dia, sem a necessidade de pagar tarifas. Isso é uma evolução, comparando o Pix a sistemas como o TED e DOC.

No dia 06/09/2023, foram R$ 76,1 bilhões transferidos por meio do Pix. E analisando os 152,7 milhões de transações realizadas nesse dia e o montante total transferido, conclui-se que cada transferência neste dia teve um valor médio de R$ 498,42.

Veja também: CAIXA e Banco do Brasil já começaram a usar o DREX: isso pode ser o FIM do Pix?

É o FIM dos cartões no Brasil?

As transações por Pix já ultrapassam o número de transações com cartões de débito no Brasil. Por isso, surge a dúvida se realmente chegou o fim dos cartões no país, inclusive os de crédito, visto as novas funcionalidades anunciadas pelo Banco Central.

A saber, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, anunciou no mês passado que a função crédito será em breve liberada via Pix. Dessa forma, sistema de pagamentos instantâneos poderá dispensar totalmente o uso de cartões, tanto de débito quanto crédito.

Sendo assim, pode-se afirmar que a existência do Pix é uma ameaça aos cartões. Em algum momento, em um futuro próximo, as pessoas não precisarão de ter cartões e poderão usar o Pix para tudo. Entretanto, é preciso relembrar o processo de dispensar totalmente os pagamentos físicos, com uso do cartão, pode demorar. Isso porque certos consumidores, como o público mais velho, pode resistir quanto ao uso do pagamento digital.

Veja também: FIM da era PIX? Ferramenta pode estar com os dias contados após comunicado da Caixa e do Banco do Brasil

Pix Saque e Pix Troco – entenda as modalidades da transação

Aqueles que pensam que o Pix está limitado somente ao ato de enviar e receber dinheiro estão redondamente enganados. De forma mais clara, a transação ainda conta com outras modalidades que garantem ainda mais facilidade aos consumidores, como é o caso do Pix Saque e do Pix Troco.

Para melhor entender, o Pix Saque possibilita que os consumidores saquem determinada quantia em dinheiro através do Pix. Para isso, é preciso dirigir-se até um estabelecimento que conte com a possibilidade, e enviar a quantia desejada para o Pix do comerciante.

Assim sendo, o comerciante devolverá a quantia transferida via Pix para o cliente, porém, em dinheiro físico. O Pix Troco funciona de forma similar, porém, nesse caso, o cliente paga a mais por um produto e recebe o troco de volta em dinheiro físico. As transações são gratuitas e dependem da disponibilidade de cada um.