ONDE e QUANTO investir para ter uma renda de R$ 3 mil por mês? Não é tão difícil quanto parece!

Não é só em tempo de crise que você deve pensar em diversificar seu investimento, isso deve ser feito constantemente. Veja onde investir para ter uma renda extra de R$ 3 mil.

Quer engordar o cofrinho? Aposto que sim! Quem não quer uma graninha a mais no bolso, não é mesmo? E aí vem a pergunta que não quer calar: quanto preciso investir para garantir uma renda de R$ 3 mil por mês? Sei que é o sonho de muita gente, portanto, vamos te ajudar a desvendar esse mistério.

A seguir vamos descobrir juntos onde investir e quanto tempo temos que esperar para colocar mais dinheiro no bolso!

Onde posso investir para ter uma renda passiva de R$ 3 mil
Onde posso investir para ter uma renda passiva de R$ 3 mil. Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Onde posso investir para ter uma renda passiva de R$ 3 mil

Sabia que essa grana poderia ajudar muito, né? Uma pesquisa do Instituto Real Time Big Data mostrou que 48% dos brasileiros estão em busca de uma renda extra para fechar as contas.

Agora, olha só, não é só para pagar as dívidas que a renda extra serve! O especialista em finanças Cadu Guerra explica que ela pode te dar a liberdade financeira tão desejada. É como ter alguém trabalhando para você e pagando todo mês.

Por isso, vale a pena ficar de olho nas opções financeiras que podem te ajudar a alcançar essa meta de ter R$ 3 mil mensais de renda.

Conversei com Cadu Guerra, Denis Medina – economista e professor da FAC-SP – e Victor Marques – planejador financeiro CFP pela Planejar – e eles destacaram que existem várias alternativas de investimento para chegar lá.

A seguir, estão algumas opções para você ter uma renda passiva de R$ 3 mil:

Ações de empresas que pagam dividendos: Essas empresas de capital aberto distribuem parte de seus lucros aos acionistas na forma de dividendos, que são ativos financeiros representativos do capital social. Além dos dividendos, os investidores em ações também podem receber remuneração por meio dos Juros Sobre o Capital Próprio (JCP), como destaca o especialista Medina.

Veja também: Momento para investir R$ 1 mil: quanto rende na poupança, no Tesouro Direto e no fundo?

O agronegócio também é uma opção

Renda fixa: Os títulos de dívida são instrumentos financeiros nos quais o investidor empresta dinheiro para empresas e bancos, com a promessa de receber de volta o valor emprestado acrescido de juros em uma data específica. Assim, segundo o professor, as empresas emitem debêntures como forma de remuneração aos investidores. Já os bancos oferecem títulos como CDB, CRI, CRA, LCI e LCA.

Tesouro direto: Os títulos do Tesouro Nacional são considerados produtos de renda fixa e representam dívidas do governo. Então, segundo Medina, ao investir no Tesouro Direto, é possível comprar e vender títulos públicos, que se assemelham a empréstimos feitos ao governo federal.

Fundos de investimentos imobiliários: Os Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs), como são popularmente conhecidos, são produtos que reúnem recursos de diversos investidores. Assim, seu objetivo é investir no mercado imobiliário, seja por meio da aquisição de imóveis para locação, contratos financeiros como LCI ou CRI, ou até mesmo a securitização de recebíveis imobiliários. Portanto, a remuneração para os investidores ocorre por meio da distribuição de dividendos, que são gerados pelos lucros obtidos no ramo imobiliário.

Fundos de investimento do agronegócio: Semelhante aos fundos imobiliários, estes ativos financeiros são voltados para investimento no mercado agropecuários. Dessa forma, por meio de compra efetiva de imóveis rurais para arrendamento, parceria, locação, ou de contratos financeiros ligados ao mercado agropecuário, como LCA ou CRA. Também é possível investir na securitização de recebíveis de cooperativas relacionadas ao agronegócio.

Veja também: Nucoin: investir na moeda do Nubank pode realmente me trazer um BOM DINHEIRO? Saiba mais sobre o retorno