NÃO quer abrir MEI? Veja OUTRAS boas opções para quem quer começar a empreender

Nem sempre abrir MEI pode ser uma boa opção para quem quer empreender com um pequeno negócio. Há outras formas de se formalizar.

O Microempreendedor Individual (MEI) tem sido uma escolha popular entre os empreendedores que desejam formalizar seus negócios com facilidade e custos reduzidos.

A modalidade oferece uma tributação simplificada e um processo de abertura menos burocrático.

No entanto, há desafios importantes que precisam ser considerados para garantir o sucesso e a sustentabilidade a longo prazo do negócio. Confira os detalhes.

Já pensou em se formalizar de outra forma, sem ser como MEI? Veja algumas opções interessantes.
Já pensou em se formalizar de outra forma, sem ser como MEI? Veja algumas opções interessantes. / Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Limite de faturamento do MEI e gestão do crescimento

Um dos principais desafios enfrentados pelos MEIs é o limite de faturamento anual, fixado em R$ 81 mil.

Ultrapassar esse valor implica na necessidade de transição para outras categorias jurídicas, como a Microempresa (ME), que traz consigo maior complexidade burocrática e custos fiscais elevados.

É fundamental um planejamento estratégico eficiente, que permita ao MEI gerenciar seu crescimento sem ultrapassar esse limite, garantindo assim a continuidade das vantagens oferecidas pela categoria.

Não perca: Meu patrão é MEI, preciso contribuir com o INSS também? Entenda as regras!

Acesso ao crédito: barreiras e soluções

O acesso limitado ao crédito formal é outra barreira significativa para os MEIs. A falta de um histórico financeiro robusto e de garantias dificulta a aprovação de empréstimos em instituições bancárias.

Como resultado, muitos acabam recorrendo a alternativas de crédito pessoal, que geralmente possuem taxas de juros mais altas, comprometendo a saúde financeira do negócio.

Explorar linhas de crédito específicas para pequenos empreendedores e buscar assessoria financeira podem ser caminhos viáveis para superar essas dificuldades.

Proteção social do MEI e desafios na gestão

A proteção social oferecida ao MEI é limitada a benefícios básicos, como aposentadoria por idade e auxílio-doença.

A ausência de cobertura para outros benefícios essenciais pode gerar uma sensação de insegurança social.

Além disso, muitos MEIs enfrentam desafios significativos na gestão de seus negócios, principalmente devido à falta de conhecimento em áreas cruciais como finanças, marketing e contabilidade.

Saiba mais: Primeiras parcelas da restituição do Imposto de Renda logo serão liberadas; descubra se você está entre os contemplados!

Alternativas ao MEI: expandindo possibilidades

Para aqueles que planejam expandir além dos limites do MEI, existem várias alternativas que oferecem vantagens adicionais:

  • Microempresa (ME): com um limite de faturamento anual de R$ 360 mil, a ME é uma excelente opção para quem precisa expandir suas operações. Além de permitir a contratação de até 10 funcionários, essa categoria oferece acesso a linhas de crédito mais amplas, essenciais para o desenvolvimento empresarial. Contudo, exige uma contabilidade mais complexa e uma carga tributária maior em comparação ao MEI.
  • Empresa Individual (EI): a EI permite um faturamento superior ao da ME, sem limite estabelecido, e oferece a vantagem da separação patrimonial, protegendo os bens pessoais do empresário das dívidas da empresa. A gestão e a burocracia são similares às da ME, com a diferença de que não permite sócios.
  • Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI): esta modalidade combina a proteção patrimonial com um limite de faturamento elevado, oferecendo maior segurança jurídica. A EIRELI exige um capital social mínimo, não necessariamente um impedimento, mas um ponto a considerar na hora do planejamento financeiro.
  • Sociedade Simples: ideal para negócios com vários sócios, permite a divisão de lucros e responsabilidades. A Sociedade Simples é adequada para profissionais liberais que desejam trabalhar em conjunto, como advogados e médicos, proporcionando uma estrutura mais flexível em termos de gestão e partilha de resultados.

Tomando a decisão correta: consulte um especialista

Antes de tomar qualquer decisão sobre a mudança de categoria jurídica, é essencial conversar com um contador.

Este profissional poderá avaliar seu modelo de negócio, faturamento previsto e necessidades específicas, oferecendo orientações precisas sobre a melhor alternativa para sua situação.

Ao considerar todos esses fatores, o MEI pode não apenas superar seus desafios, mas também traçar um caminho próspero e sustentável para o futuro.

Lembre-se, a escolha da estrutura jurídica certa é um passo crucial para o sucesso de seu empreendimento.

Veja mais: Governo ACABA de anunciar auxílio para MEI de R$ 1,4 MIL; veja quem pode solicitar