INSS aprovou nova idade mínima para receber salário INTEGRAL? Confira tudo e resolva em 3 passos

Entenda os critérios atualizados do INSS e aprenda em três passos simples como se aposentar recebendo o salário integral, uma informação essencial para quem planeja o futuro.

Em 2024, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) introduziu mudanças significativas, incluindo a nova idade mínima e procedimentos para solicitar a aposentadoria com o salário integral.

Para muitos brasileiros, entender essas mudanças e adaptar-se a elas é crucial para garantir uma aposentadoria confortável. Com a reforma previdenciária de 2019, os critérios para alcançar o benefício integral tornaram-se mais rigorosos, trazendo novos desafios para os futuros aposentados.

INSS aprovou nova idade mínima para receber salário INTEGRAL? Confira tudo e resolva em 3 passos
Veja a nova aprovação do INSS. Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Quais são os novos requisitos para aposentadoria integral pelo INSS?

Após a reforma da Previdência de 2019, os requisitos para se obter a aposentadoria integral pelo INSS foram atualizados. Para alcançar o benefício integral, os trabalhadores devem atender a novas condições de idade mínima e tempo de contribuição.

Aqui estão os requisitos principais:

  1. Idade Mínima e Tempo de Contribuição: Para receber 100% do salário de benefício, os homens precisam ter 65 anos de idade e 40 anos de contribuição. As mulheres devem ter 62 anos de idade e 35 anos de contribuição. Esse modelo é conhecido como aposentadoria por idade.
  2. Regras de Transição: Para aqueles que já estavam no mercado de trabalho antes da reforma, existem regras de transição que oferecem alternativas para a aposentadoria, considerando a soma da idade e do tempo de contribuição, entre outros fatores.
  3. Aposentadoria Especial: Para trabalhadores expostos a condições insalubres ou perigosas, a aposentadoria especial exige 25 anos de contribuição para atividades de risco baixo, 20 anos para risco médio e 15 anos para risco alto, com idades mínimas variando de 55 a 60 anos.

Veja também: Aposentadoria sendo RETIRADA das contas? Entenda a POLÊMICA e os alertas emitidos HOJE (28)

Como posso calcular o tempo de contribuição para a aposentadoria especial?

Para calcular o tempo de contribuição para a aposentadoria especial, é necessário considerar o período em que o trabalhador esteve exposto a condições insalubres, perigosas ou prejudiciais à saúde, conforme definido pela legislação.

A aposentadoria especial é destinada aos trabalhadores que exerceram atividades sob exposição a agentes nocivos químicos, físicos, biológicos ou associação desses agentes, com graus de exposição classificados como mínimo, médio ou máximo.

Os períodos de contribuição exigidos variam de 15 a 25 anos, dependendo do nível de exposição ao risco.

Para a contagem desse tempo, é imprescindível que o trabalhador possua o PPP (Perfil Profissiográfico Previdenciário) fornecido pelo empregador, documento este que detalha a exposição a tais condições ao longo do tempo de serviço na empresa.

Este documento é fundamental para o reconhecimento do tempo especial pelo INSS.

Veja também: Aposentados podem ter direito ao repasse de R$ 1 MIL do INSS: veja como desbloquear o valor

Qual é a idade mínima para aposentadoria integral após a reforma previdenciária?

Após a reforma previdenciária de 2019, a idade mínima para a aposentadoria integral pelo INSS passou a ser de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, acompanhada de um tempo mínimo de contribuição, que é de 40 anos para homens e 35 anos para mulheres para alcançar o benefício integral.

Esses requisitos refletem uma mudança significativa em relação ao sistema anterior, que permitia a aposentadoria por tempo de contribuição sem uma idade mínima específica.

A reforma previdenciária introduziu essas novas regras com o objetivo de adequar o sistema de seguridade social brasileiro às mudanças demográficas e ao aumento da expectativa de vida da população, buscando garantir a sustentabilidade financeira do sistema a longo prazo.

Vale ressaltar que existem regras de transição para aqueles que já estavam no mercado de trabalho antes da reforma, permitindo uma adaptação mais gradual às novas exigências para a obtenção da aposentadoria integral.

Veja também: Como funciona a aposentadoria por invalidez INTEGRAL? INSS pode garantir pagamentos de 100%