Imposto de Renda: segredo revelado para aumentar o valor da restituição

Incluir dependentes na declaração do Imposto de Renda pode aumentar a restituição, mas requer atenção e dados corretos.

À medida que o prazo final para a declaração do Imposto de Renda se aproxima, muitos brasileiros se veem diante de um desafio: maximizar a restituição e minimizar o ônus tributário. 

Nesse contexto, surgem diversas estratégias fiscais que prometem aliviar o peso dos impostos. 

Entender essas opções e aplicá-las de forma inteligente é fundamental para garantir benefícios financeiros significativos, transformando o processo de declaração em uma oportunidade de otimização financeira.

Imposto de Renda segredo revelado para aumentar o valor da restituição
Saiba como aumentar o valor da restituição do Imposto de Renda – Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Otimizando a restituição do Imposto de Renda 2024: aproveite o potencial dos dependentes

Com a aproximação do prazo final para a declaração do Imposto de Renda 2024, marcado para 31 de maio, contribuintes por todo o Brasil buscam estratégias para aumentar suas restituições e minimizar os impactos tributários. 

Entre várias táticas, a inclusão correta de dependentes se destaca por sua eficácia, oferecendo não só a possibilidade de uma restituição maior, mas também uma carga tributária mais equilibrada.

O impacto dos dependentes na declaração

Incluir dependentes como cônjuges, filhos, pais, avós, e até enteados pode fazer uma grande diferença na declaração de Imposto de Renda. Importante é que esses dependentes não devem estar obrigados a declarar o IR por conta própria. 

Esta abordagem permite deduções substanciais na base de cálculo do IR, com cada dependente representando uma dedução de R$ 2.275,08. 

Adicionalmente, despesas com educação e saúde dos dependentes podem ser abatidas, dentro dos limites legais.

Como declarar dependentes corretamente

Desde 2019, é obrigatório o registro do CPF dos dependentes, desde bebês, o que sublinha a necessidade de informar corretamente rendimentos, bens, e despesas dedutíveis dos dependentes. 

Uma clara separação entre as finanças do titular e dos dependentes é crucial para evitar problemas com a Receita Federal. Antes de incluir dependentes na declaração, é vital realizar simulações para compreender o impacto real dessa ação.

Planejamento e execução cuidadosa

A estratégia de incluir dependentes no Imposto de Renda requer atenção aos detalhes e uma organização meticulosa das informações financeiras. 

A decisão de incluir ou não dependentes pode ser determinante para o resultado final da declaração. 

Com um planejamento cuidadoso e a execução correta, os contribuintes podem garantir uma otimização significativa em suas obrigações fiscais.

Veja também: Alerta: prazo final para declaração do Imposto de Renda coincide com Feriado

Quais são as despesas que garantem restituição do IR?

Em geral, despesas com saúde, educação e dependentes são as que garantem a restituição do Imposto de Renda, mas é importante lembrar que nem todas as despesas se encaixam nessa categoria.

Para ter certeza se uma despesa pode ser deduzida, é fundamental consultar a tabela fornecida pela Receita Federal no momento da declaração.

Alguns exemplos de despesas dedutíveis:

  • Consultas médicas, odontológicas e psicológicas;
  • Internações hospitalares;
  • Exames laboratoriais e radiológicos;
  • Próteses ortopédicas e dentárias;
  • Planos de saúde;
  • Medicamentos com receita médica;
  • Mensalidades escolares;
  • Cursos de graduação;
  • Pré-escola e creche;
  • Pensão alimentícia.

Como declarar o Imposto de Renda?

É necessário acessar o site da Receita Federal: https://www.gov.br/receitafederal/pt-br. Em seguida, baixe o programa Gerador da Declaração (PGD IRPF) compatível com o seu sistema operacional. 

O programa é intuitivo e o contribuinte pode optar pela declaração do Imposto de Renda pré-preenchida. Por fim, o prazo de entrega vai até o dia 31 de maio de 2024

Veja também: Estas despesas médicas NÃO podem diminuir seu pagamento do Imposto de Renda; veja o que REALMENTE entra na dedução