Home-office na ITÁLIA? Veja COMO você pode se mudar para a Europa NESTE ano!

O sonho de muitos brasileiros é sair do país, seja para visitar, estudar ou, quem sabe, trabalhar em home-office. Felizmente, é possível fazer isso na Itália!

Com o crescimento do trabalho remoto, a Itália se destaca como um destino atraente para aqueles que desejam combinar a vida profissional com a experiência de viver em um dos países mais belos da Europa.

Recentemente, o governo italiano regulamentou o visto de nômade digital, permitindo que profissionais que trabalham em home office possam morar legalmente no país.

Esta oportunidade é especialmente relevante para trabalhadores de fora da União Europeia, incluindo brasileiros, que agora podem desfrutar das vantagens de residir na Itália enquanto mantêm suas atividades profissionais. Confira.

Já pensou em trabalhar de home-office na Itália? Veja como fazer isso!
Já pensou em trabalhar de home-office na Itália? Veja como fazer isso! / Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Entendendo o que são nômades digitais

Os nômades digitais são profissionais que utilizam a tecnologia para trabalhar remotamente, permitindo uma maior flexibilidade quanto ao local onde vivem e trabalham.

Esses indivíduos adotam um estilo de vida itinerante, viajando frequentemente e residindo em diferentes lugares ao redor do mundo por períodos prolongados.

Essa liberdade de movimento é um dos principais atrativos do trabalho remoto, permitindo que os nômades digitais explorem novas culturas e ambientes enquanto mantêm sua carreira.

Na Europa, a necessidade de visto para nômades digitais varia conforme o país de residência temporária. Por exemplo, a Alemanha permite que esses profissionais permaneçam por até 90 dias sem visto, desde que não trabalhem para clientes locais.

Já a França oferece vistos específicos para nômades digitais que desejam residir e trabalhar remotamente no país por até um ano.

A Itália, por sua vez, recentemente aprovou uma lei que permite que pessoas sem passaporte da UE, ou qualquer outro visto, possam permanecer legalmente no país e trabalhar remotamente por longos períodos.

Não perca: Mais de 40 cidades têm recolhimento do FGTS SUSPENSO: entenda COMO isso afeta os trabalhadores

Requisitos para obtenção do visto da Itália

Para garantir o visto de nômade digital na Itália, os interessados devem atender a uma série de critérios.

Embora o processo possa ser burocrático, ele representa uma opção viável para viver legalmente na Itália por até um ano, com possibilidade de renovação.

Os requisitos incluem comprovação de renda mínima anual de 28 mil euros, equivalente a cerca de R$ 156,5 mil por ano ou R$ 13 mil por mês, garantindo que os candidatos possuam recursos financeiros suficientes para se sustentarem durante sua estadia.

Além disso, o visto é destinado a profissionais que trabalham remotamente para empresas localizadas fora da Itália.

É obrigatório possuir um seguro de saúde que cubra tratamento médico e hospitalização durante toda a estadia.

Os candidatos também precisam comprovar a existência de uma acomodação na Itália, seja através de contrato de aluguel, reserva ou compra de imóvel.

Profissionais devem ter experiência relevante no setor em que pretendem trabalhar remotamente, comprovando sua competência e estabilidade na profissão.

Veja mais: Saque DISPONÍVEL para trabalhadores em maio: veja COMO receber R$ 1,2 mil AGORA

De quais documentos preciso?

A documentação necessária para a solicitação do visto inclui passaporte válido, fotografias recentes, formulário de solicitação de visto obtido no consulado italiano, contrato de trabalho em vigor, prova de meios financeiros suficientes.

Também é necessário um comprovante de experiência profissional, comprovante de acomodação, declaração de antecedentes criminais, seguro médico e comprovante de pagamento da taxa de solicitação de visto.

Além disso, os candidatos devem possuir um diploma universitário de pelo menos três anos ou comprovar experiência notável por meio de documentação.

O processo de solicitação do visto envolve duas etapas principais: uma no Brasil e outra na Itália. A preparação antecipada dos documentos é essencial para evitar contratempos.

Qual é o custo de vida na Itália?

Embora a regulamentação do visto de nômade digital na Itália representa uma oportunidade significativa para profissionais de fora da União Europeia, é bom se preparar para os custos de vida.

No geral, ele varia bastante dependendo da cidade e do estilo de vida.

Em grandes cidades como Roma e Milão, o aluguel de um apartamento de um quarto no centro pode custar entre 800 a 1.500 euros por mês, enquanto nas periferias esse valor pode ser de 500 a 900 euros.

Alimentação em supermercados pode custar entre 200 a 300 euros mensais, e refeições em restaurantes variam de 10 a 50 euros por pessoa.

O transporte público é eficiente, com bilhetes simples a 1,50 euros e passes mensais entre 35 a 55 euros. O combustível custa cerca de 1,50 a 1,70 euros por litro.

Outros custos incluem saúde, com planos privados variando de 50 a 200 euros por mês, e lazer, com ingressos para cinema e teatro de 10 a 50 euros.

A educação pública é gratuita, mas escolas privadas podem custar de 5.000 a 20.000 euros anuais.

Acompanhe mais: Guia COMPLETO sobre horas extras: confira seus deveres e DIREITOS ao trabalhar por mais tempo!