Ficou sem contribuir com o INSS e quer voltar a pagar? Veja COMO fazer isso ainda HOJE

Ficar sem contribuir com o INSS pode trazer diversos problemas futuros apra os brasileiros. Um deles, por exemplo, é a impossibilidade de se aposentar.

Se você já se encontrou em uma situação onde precisou interromper suas contribuições ao INSS, talvez esteja se perguntando: “E agora, o que faço para voltar a contribuir e assegurar meus benefícios?”

Você não está sozinho nessa e a boa notícia é que retomar suas contribuições e garantir seus direitos é totalmente possível.

Ao retomar suas contribuições, é possível ter acesso a diversos benefícios da Previdência Social, incluindo aposentadorias e auxílios. Confira!

Quer voltar a contribuir com o INSS depois de um tempo sem ter feito isso? Veja como retornar!
Quer voltar a contribuir com o INSS depois de um tempo sem ter feito isso? Veja como retornar! / Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Por que as contribuições são interrompidas?

O desemprego é o principal motivo que leva muitas pessoas a interromperem suas contribuições ao INSS. Além disso, pode haver outras razões pessoais.

Com isso, além da preocupação com a renda, surge o medo de perder a qualidade de segurado e, consequentemente, o acesso a benefícios previdenciários essenciais, como auxílios por incapacidade e pensão por morte.

O que é o período de graça?

Antes de entrar em pânico, é importante conhecer o “período de graça“. Trata-se de um tempo concedido pelo INSS, após a última contribuição, durante o qual você ainda mantém sua qualidade de segurado.

Esse período varia de 3 a 36 meses, dependendo de sua situação específica. Basicamente, ele pode ajudar bastante as pessoas que estão sem conseguir contribuir com o INSS no momento.

E se eu quiser voltar a contribuir com o INSS?

Aqui vem a parte encorajadora: você pode, sim, voltar a contribuir com o INSS! Ao retomar suas contribuições, você começa a reconstruir seus direitos aos benefícios.

No entanto, o tempo necessário para readquirir esses direitos varia de acordo com o benefício em questão. Alguns benefícios, por exemplo, exigem contribuições de 15 meses, mas tudo depende das regras específicas de cada um.

Além disso, retomar as contribuições é mais simples do que parece. Você pode optar por se tornar um contribuinte individual, especialmente se estiver trabalhando por conta própria ou se ainda estiver procurando emprego. O importante é não deixar de contribuir, para garantir seus direitos previdenciários.

Veja mais matérias: Veja como CONSULTAR seu CPF ainda HOJE (23/02) e descubra se você foi premiado no Caixa Tem

Quando perco os benefícios por não contribuir com o INSS?

A perda dos benefícios geralmente ocorre após 12 meses sem contribuir, mas isso pode variar. Por exemplo, para quem contribuiu por 10 anos sem interrupção, o período de graça pode se estender por até 36 meses em caso de desemprego, desde que comprovada a situação.

Dessa forma, é importante que você fique atento ao tempo em que você esteve contribuindo com a Previdência Social, pois cada caso é particular.

Quanto tempo após retomar terei direito aos benefícios novamente?

Depois de voltar a contribuir, o tempo necessário para ter direito novamente aos benefícios varia. Por exemplo, para o salário-maternidade, são necessários apenas 5 meses de contribuição após a retomada, enquanto para a aposentadoria por invalidez e o auxílio-doença, são 6 meses.

Dessa forma, manter-se informado sobre suas contribuições é fundamental. A plataforma Meu INSS (https://meu.inss.gov.br/) permite que você consulte seu histórico de contribuições, verifique se há alguma pendência e planeje suas próximas contribuições para garantir que seus direitos estejam sempre protegidos.

Nunca é tarde para agir!

Interromper suas contribuições ao INSS não é o fim do mundo, mas é crucial agir para retomá-las e proteger seus direitos.

Seja qual for sua situação, lembre-se de que opções estão disponíveis para você. Informe-se, planeje e dê esse importante passo para garantir seu futuro e sua tranquilidade.

Acompanhe mais: Banco do Brasil e o PIX de R$ 1.412,00: 4 passos para garantir o saque