ESTUDANTES podem receber BENEFÍCIO no valor de R$ 439; confira os requisitos

O programa seleciona os estudantes com bom desempenho e frequência escolar para atuarem como monitores. Saiba o que os alunos terão que fazer na monitoria.

A educação pública no Brasil enfrenta uma série de desafios, entre eles estão a falta de verba, as escolas e os transportes escolares sucateados, a evasão escolar, entre muitos outros. Neste sentindo, os estudantes e professores são os mais afetados pelas ausência de condições dignas para o aprendizado. Como forma de estimular os estudos e melhorar o desempenho dos estudantes, o governo está oferecendo um benefício.

A iniciativa funciona a partir de um programa voltado para a rede de ensino pública estadual. Para participar os alunos precisam se inscrever e cumprir com todos os requisitos. O valor do benefício é dividido entre a quantia da bolsa e o auxílio transporte. Neste ano já são mais de 5 mil alunos selecionados e os resultados são positivos e promissores na educação.

A estimativa é que mais de 60 mil alunos matriculados sejam beneficiados, são quase 200 escolas que aderiram ao Programa Estudante Monitor em um determinado estado brasileiro. A avaliação da Secretaria de Educação é que está acontecendo um movimento de cooperação coletiva no ambiente escolar, com ganhos além dos financeiros.

ESTUDANTES podem receber BENEFÍCIO no valor de R$ 439; confira os requisitos
O programa de monitoria é para os estudantes de escolas estaduais públicas de Sergipe, mediante a seleção com base no cumprimento dos requisitos. Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Como funciona o programa?

O Programa Estudante Monitor do estado de Sergipe consiste em oferecer vagas nas escolas da rede estadual de ensino para os alunos se inscreverem como monitores. São formados grupos de tutorial de aprendizagem compostos por alunos do 9º do ensino fundamental e por estudantes do ensino médio, que são orientados por um professor da instituição.

A função dos estudantes é estimular a participação dos demais nas atividades educacionais, contribuindo para a melhoria do desempenho escolar. Há ainda a monitoria que é direcionada para a busca ativa e transporte escolar, que estabelece uma conexão entre a escola e o aluno para a realização de atividade de convivência e a promoção do transporte escolar mais seguro.

Os estudantes que se inscreverem e forem selecionados para serem monitores terão que acompanhar e observar o comportamento dos alunos nos itinerários dos ônibus, assim como a presença e ausência nas aulas e auxiliar os estudantes que têm dificuldades em algumas matérias com revisões. Também devem informar sobre tudo que acontecer à direção da escola.

Cada estudante selecionado como monitor recebe o benefício, que é pago pelo governo estadual, no valor de R$ 439, a quantia corresponde a R$ 250 da bolsa mais R$ 189 do auxílio transporte.

Veja também: Intercâmbio nos EUA: estudantes concorrem à experiência internacional; descubra como concorrer

Requisitos para os estudantes receberem o benefício

Para participar é preciso que o estudante interessado esteja devidamente matriculado em uma das escolas da rede estadual que fazem parte do programa de monitoria e que tenha CPF. Não pode ter vínculo empregatício ou de estágio e nem mesmo ser bolsista de qualquer outro programa do governo estadual. A inscrição é na própria escola.

O candidato deverá ter um bom desempenho escolar, com uma média a partir de 6,0 e frequência acima de 75%. Além disso, os participantes devem ter disponibilidade de 20 horas semanais para acompanhar as atividades, de acordo com o horário do professor orientador. Serão analisados ainda outros critérios, como a participação em projetos escolares, na comunidade ou em outras localidades, com relevância social.

Veja também: Quer estudar fora? Veja como conseguir bolsa no País de Gales

Enem 2023: atualizações sobre a prova

O número de inscritos para a realização da próxima edição do Exame Nacional do Ensino Médio 2023 já foi revelado. De acordo com o INEP, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, o número de inscritos chegou a marca de quase 4 milhões de estudantes.

Vale a pena lembrar que essa prova é a forma de entrada mais popular em faculdades e universidades no país, permitindo que os inscritos consigam batalhar por vagas em diversas instituições públicas no país. Conforme o INEP, o número de inscritos para o exame de 2023 representa um aumento de 13,1%, o que pode ser um indicativo de que mais pessoas estão se voltando para o ensino superior no país.

É importante destacar que quase metade dos inscritos para a edição do Enem de 2023 já terminaram o ensino médio, enquanto quase 36% termina o ensino médio ainda neste ano.

Conheça outros benefícios do Governo Federal para os estudantes brasileiros

Com o objetivo de diminuir a evasão escolar e garantir que cada vez mais brasileiros tenham acesso ao ensino de melhor qualidade possível, o Governo Federal trabalha assiduamente na oferta de programas que forneçam diferentes formas de suporte aos estudantes locais.

Alguns desses programas contam com auxílios estudantis, como por exemplo:

Bolsa permanência

Oferta valores entre R$ 400,00 e R$ 900 para que os estudantes em situação de baixa renda possam continuar no ensino superior.

Bolsa do povo

Contempla alunos do ensino médio e do 9º ano do ensino fundamental, com o objetivo de aumentar a frequência escolar dos estudantes. O auxílio conta com parcelas de R$ 1 mil e é ofertado para os moradores de São Paulo.

Bolsa estudante

Contempla alunos do ensino médio e do EJA. O valor das parcelas é de R$ 568, e o benefício é ofertado para os moradores de Santa Catarina.

Demais programas

Além disso, alguns governos locais também contam com programas similares, como:

  • Bolsa de estudo (Goiás) – R$ 100 para estudantes baixa renda;
  • Programa Todo Jovem na Escola (Rio Grande do Sul e Bahia) – R$ 150 para alunos do ensino médio.

Entenda como funciona o ID Jovem

Ademais, o ID Jovem é outro benefício do governo que se pode conseguir através da inscrição no Cadastro Único. Basicamente, ele é uma carteirinha que concede benefícios aos jovens entre 15 e 29 anos. Através dela, eles podem viajar de graça ou pela metade do preço, além de assistirem a atividades culturais pagando pouco.

Funciona assim: todos os ônibus reservam quatro vagas para aqueles que possuem o ID Jovem, sendo duas delas totalmente gratuitas e duas delas com valores de 50% de desconto. Para agendar, é necessário comparecer ao guichê e apresentar o documento oficial com foto, além da carteirinha.

Ou seja, aqueles que têm acesso ao ID Jovem podem receber isenção total das passagens de ônibus interestaduais ou então precisam pagar só meia passagem. O mesmo ocorre com ingressos de shows, museus, cinema, atividades esportivas e semelhantes. É um benefício interessante para expandir horizontes culturais.

Para ter acesso a ele, basta se inscrever no CadÚnico e, se estiver dentro da idade (não é necessário estar estudando), basta se cadastrar pelo aplicativo ID Jovem (Android: https://bityli.com/uHCpJIe ou iOS: https://bityli.com/vn2hG). Lembre-se de renovar o cadastro a cada seis meses. Para participar, o interessado precisa a atentar às exigências

  • Possuir a idade adequada, entre os 15 e 29 anos;
  • Renda familiar máxima do jovem interessado deve ser de dois salários mínimos;
  • Ter inscrição no CadÚnico, sendo que o registro tem que estar atualizado nos últimos dois anos.

O Auxílio Brasil Jovem é a mesma coisa que o Bolsa Família?

Durante os anos de governo do ex-presiendete, Jair Messias Bolsonaro (PL), os jovens brasileiros puderam contar com um programa chamado Auxílio Brasil Jovem. No entanto, após o fim do Auxílio Brasil e a transição para o Bolsa Família, muitos ficaram na incerteza se o valor destinados aos jovens brasileiros ainda seria ofertado.

Sem muitas delongas, o Auxílio Brasil Jovem não é mais ofertado. Por outro lado, agora, o Bolsa Família conta com novos adicionais somados às parcelas fixas do benefício, e um deles está justamente destinado para os jovens de até 18 anos de idade.

O adicional é ofertado através de parcelas mensais de R$ 50, e o pagamento acontece juntamente com o repasse mensal disposto pelo Bolsa Família às inscritas.

O que preciso fazer para estudar fora do Brasil?

Todos os anos, milhares de pessoas tentam concorrer a bolsas de estudo fora do país ou, pelo menos, sonham com a possibilidade. No geral, é necessário cumprir com alguns pontos importantes antes de sair do Brasil para isso, confira:

  • Passaporte: o primeiro passo á já tirar o passaporte, pois o processo para tirar esse documento demora alguns meses, então quanto antes você pensar nisso, melhor;
  • Prova do GRE ou GMAT: em síntese, o GRE é uma prova que mede o nível de conhecimento dos candidatos para que possam fazer mestrado no Canadá e nos EUA, enquanto o GMAT serve para programas de negócio, como os MBAs;
  • Documentação: para participar, é importante ter todos os documentos em mãos antes de viajar, de forma que não falte nenhum;
  • Visto: o visto não é uma exigência de todos os países, mas alguns, como os EUA, podem solicitá-lo e, como é um procedimento que leva tempo, é interessante ir atrás disso logo;
  • Certificado de língua: dependendo do país onde você for estudar, será necessário apresentar um certificado de que você domina a língua, como é o caso do TOEFL, por exemplo;
  • Cartas de recomendação: no Brasil não temos muito esse costume, mas as universidades de fora sempre solicitam algum tipo de carta de recomendação antes de aceitar o estudante, escritas por seus professores;
  • Carta de motivação: outro costume que eles possuem é um texto em que o aluno conte os motivos pelos quais quer estudar naquela universidade em específico;
  • Seguro de saúde: por fim, muitos países, como os da Europa, podem pedir que você contrate um seguro de saúde antes de se mudar, que te dá o direito de aproveitar a infraestrutura do país.