Empresa que opera Pix tem falha e afeta 161 mil clientes de 300 instituições; veja como se proteger

0

O Banco Central divulgou no dia 21 de janeiro uma falha de segurança numa das empresas que operam o Pix, contudo, o vulto de dados comprometidos foi muito maior que o anunciado, já que quase 161 mil clientes de cerca de 300 instituições tiveram seus dados expostos.

Quando os criminosos invadiram a plataforma da Acesso com o intuito de obter dados pessoais, não houve a menção desta informação e o Banco Central alegou apenas que se tratava de “falhas pontuais” e que a Acesso poderia ser multada por não terem cumprido com todas as exigências de segurança do Pix, como por exemplo, a adoção de “mecanismos de prevenção a ataques de leitura.”

Empresa que opera Pix tem falha e afeta 161 mil clientes de 300 instituições; veja como se proteger
Pix é o pagamento instantâneo brasileiro. Imagem: Agência Brasil

 

Empresa que opera Pix tem falha e afeta 161 mil clientes de 300 instituições; veja como se proteger

Segundo o Banco Central, houve a exposição de 160.603 chaves, de 159.603 pessoas físicas. Contudo, uma só pessoa pode ter mais de uma chave.

Além disso, o vazamento não atingiu somente os clientes da Acesso, mas também pessoas físicas que possuem chaves em outras instituições.  Dessa forma, uma pessoa que tenha conta no Bradesco, Banco do Brasil, Santander, Itaú e Caixa podem ter sofrido o vazamento dos dados mesmo que nunca tenha tido relação com a Acesso.

Ademais, todas as instituições que tiveram clientes atingidos tinham até quinta-feira, dia 3 de fevereiro para informar sobre o vazamento das informações e este prazo foi estabelecido pelo Banco Central.

Golpe do Pix rouba R$ 6 milhões dos cofres públicos: Município leva grande prejuízo

Segundo especialistas, os riscos são baixos, pois os dados vazados são encontrados facilmente na internet.  O problema é que estes dados podem ser cruzados com os de vazamentos anteriores e até mesmo futuros e isso, enriquece a ficha dos criminosos para possíveis ações danosas.

As dicas para evitar cair em golpes são as seguintes:

  • Jamais clique em qualquer link duvidoso enviado por whatsapp, sms, e-mail, telegram ou qualquer outro meio;
  • Ter alguns dos seus dados pessoais nas mensagens recebidas ou até mesmo por contato telefônico, não garante que a pessoa que está do outro lado seja realmente da empresa, fique sempre desconfiado(a);
  • Anúncios milagrosos de regaste fácil de dinheiro ou algo do tipo, não existe;
  • Não informe seus dados, principalmente senhas para ninguém;
  • Para ter acesso a benefícios, não é necessário pagar qualquer valor, isso não existe;
  • Tenha sempre instalado em seu celular, notebook/computador, tablet dispositivos de segurança.

Veja também:  Golpes com o CPF: 5 coisas que todo o brasileiro faz e pode facilitar a vida de golpistas