Ainda com dúvidas sobre o consignado do Auxílio Brasil? Confira TODAS as informações!

Consignado do Auxílio Brasil recebe críticas de funcionário da Fenae.

O consignado do Auxílio Brasil está sendo bastante procurado ultimamente pela população de baixa renda. Isso porque ele oferece uma opção de crédito que normalmente esse grupo não encontra. 

Dessa maneira, de acordo com os idealizadores do projeto, essa é uma chance de aumentar o poder de compra da população de baixa renda. Já, especialistas comentaram que essa modalidade não é uma boa saída para esse público. 

Ainda com dúvidas sobre o consignado do Auxílio Brasil? Confira TODAS as informações!
Entenda a situação do benefício – Imagem: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Consignado do Auxílio Brasil

De acordo com o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal das Caixa Econômica Federal (Fenae), Sérgio Takemoto, a iniciativa de realizar esse projeto é uma perversidade com o cidadão. 

Ele comenta que a ação irá acabar endividado famílias que já não possuem renda suficiente. Além disso, estão cobrando juros bastante altos destes brasileiros. Ele comentou ainda sobre a garantia do auxílio que só chega até o final do ano. 

Vale lembrar que a Caixa Econômica liberou a modalidade durante o último dia 11, ou seja, no período que antecede as eleições presidenciais. Assim, de acordo com as regras que o governo estabeleceu, muitas pessoas podem acabar tendo problemas. 

Isso porque foi liberado o comprometimento de 40% do benefício dos brasileiros. Porém, essa quantia faz referência ao total de R$ 400. O valor com quantia extra liberado pela PEC dos benefícios está disponível oficialmente apenas até o mês de dezembro. 

Dessa maneira, os interessados poderão pagar parcelas de R$ 160 por mês. Aqueles que desejarem tem, no máximo, 24 meses para pagar os valores. Sendo assim, é claro observar que o valor que irá sobrar para os brasileiros será bem pequeno para manter os gastos mentais. 

Saiba mais: Empréstimo CONSIGNADO de benefícios pode ACABAR? Confira a decisão do STF

Juros abusivos

Foi realizado um levantamento através do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) à pedidos da Fenae. Assim, quando o brasileiro solicitar o valor máximo permitido, ou seja R$ 2.569, será adicionado o juros de 3,45% ao mês. 

Realizando o cálculo, no final do empréstimo a pessoa pagará apenas de juros R$ 1.270, considerando os 24 meses de limite para parcelamento. É importante destacar que os empréstimos para servidor público alcançam 1,49% de juros, ou seja, uma quantia bem menor. 

Logo, Sérgio comenta que esse valor alcança a quantia de 48% do que foi emprestado inicialmente. De acordo com ele, a parte mais perigosa são as propagandas da Caixa Econômica e do Governo Federal que não comentam sobre as regras claramente em meio às suas propagandas intensas. 

Ainda lembra um ponto bastante importante. Caso a pessoa acabe saindo do benefício por algum motivo, a dívida permanece. Dessa maneira, mesmo sem Auxílio e provavelmente com um valor abaixo do necessário, o brasileiro terá que realizar o pagamento da dívida. 

Com esse comportamento, é muito possível que o número de famílias endividadas cresça vertiginosamente. Além disso, ainda há o risco de fazer com que essas pessoas façam empréstimos clandestinos para pagar as contas do crédito oferecido pelo Governo Federal. 

A economista do Dieese comenta que essa prática pode ser entendida até mesmo como estelionato. Isso porque a modalidade irá realizar o super endividamento da população. Com isso, elas não serão capazes de arcar com a quantia que estiverem devendo. 

Veja também: Novo CONSIGNADO do Auxílio Brasil foi SUSPENSO? Entenda o que está acontecendo