Conheça 5 países onde vale a pena se aposentar; confira o ranking das melhores aposentadorias

Mais de 40 nações foram analisadas

A aposentadoria é o sonho de muitos brasileiros. Afinal, depois de tantos anos trabalhando, é a hora do merecido descanso, não é mesmo? Mas será que vale a pena se aposentar aqui no Brasil? A remuneração da Previdência é algo que pode nos deixar tranquilo pelo resto da vida?

Em nosso país, depois da reforma da Previdência feita em 2019, a idade mínima para aposentadoria de mulheres subiu de 60 para 62 anos, enquanto para homens se manteve em 65 anos. Além disso, as novas regras também estabeleceram que pessoas do sexo masculino devem cumprir pelo menos 20 anos de contribuição, enquanto as do feminino têm que contribuir por 15 anos.

países-onde-vale-a-pena-se-aposentar
Onde vale a pena se aposentar? Será que o Brasil está ‘bem na fita’? (Foto: divulgação)

Em quais países vale a pena aposentar?

Um estudo divulgado pela gestora Natixis – que já realiza o estudo há 10 anos – analisou 44 países de diversas regiões do mundo e revelou quais as melhores e as piores nações para se aposentar. De acordo com o levantamento, a Noruega é a grande campeã, enquanto a Índia ocupa a ‘lanterninha’ do ranking.

O índice da Noruega é equivalente a 81% e seus grandes destaques são a pontuação do seu sistema de saúde (91%), que avalia gastos individuais com saúde, expectativa de vida, assim como gastos que fora da cobertura de seguros-saúde; e a qualidade de vida (87%); que foca em quesitos como qualidade do ar, água e saneamento, além da felicidade da população, biodiversidade e moradia, bem como de fatores ambientais.

Já a Índia obteve um percentual de apenas 9%, com destaques bem negativos para o índice de saúde e índice de qualidade de vida, que obtivera pontuação de apenas 4 e 3% respectivamente. A melhor taxa do país asiático foi o Índice de finanças na aposentadoria, com 62%.

E no Brasil?

A situação da aposentadoria no Brasil não está nada boa, de acordo com os índices divulgados pela Natixis. O país ocupa a penúltima posição do ranking, ou seja, é 43º colocado entre 44 países analisados. Enquanto o índice de aposentadoria da campeã Noruega é de 81%, o brasileiro é de somente 29%.

O pior índice do Brasil no ranking é o de bem-estar material, em que pontua apenas 4%. O indicador leva em conta a média salarial per capita, a igualdade salarial e o desemprego de cada país entre a população idosa. O grande ‘destaque’ brasileiro é o índice em qualidade de vida, que performou 59%. Índice em saúde e de finanças na aposentadoria pontuaram 56 e 57%, respectivamente.

Mesmo tendo subido duas posições no índice em comparação a 2021, o Brasil caiu nove posições desde 2012, quando estava em 15º lugar. A lista avalia as economias avançadas que fazem parte do Fundo Monetário Internacional (FMI), membros da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Economômico) e os países do BRIC (China, Rússia, Brasil e Índia).

Como foi feito o estudo?

O levantamento da Natixis levou em consideração quatro sub-índices temáticos, analisando dados de diversas organizações internacionais e fontes acadêmicas. São aspectos como a possibilidade de construir patrimônio, podendo viver confortavelmente na aposentadoria; serviços financeiros de qualidade para maximizar a renda e preservar o valor das economias; assim como serviços de saúde de qualidade e um ambiente limpo e seguro.

Veja também: Entenda o GRAVE risco de pesadelos na meia-idade

Veja também: Conheça os filmes mais caros já produzidos no MUNDO