Casa própria com parcela de APENAS R$ 80,00? Saiba tudo!

Os brasileiros que sonham com a casa própria e buscam auxílio para realizar a compra já podem comemorar. As novidades do governo, nesse sentido, são animadoras.

O Ministério das Cidades anunciou recentemente uma grande novidade para aqueles brasileiros que sonham com a obtenção da casa própria através do programa Minha Casa Minha Vida.

Com alterações significativas nas faixas 1 e 2 do programa em questão, agora é possível ter parcelas de apenas R$ 80, facilitando consideravelmente o acesso à moradia para muitas famílias brasileiras.

Este anúncio representa uma mudança importante nas políticas habitacionais do país, prometendo tornar o sonho da casa própria uma realidade para um número maior de cidadãos. As faixas salariais ligadas a ele, entre outras informações, estão abaixo.

Casa própria com parcela de APENAS R$ 80,00 Saiba tudo!
Os incentivos do governo para a compra da casa própria não param de crescer | Imagem: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

O Novo Esquema de Parcelamento da Casa Própria

As alterações introduzidas pelo governo visam ajustar o programa Minha Casa Minha Vida para torná-lo mais acessível.

Assim sendo, agora as famílias com renda de até R$ 1.320 podem contribuir com até 10% dessa quantia, resultando em parcelas mínimas de R$ 80. Para aquelas com rendas entre R$ 1.320 e R$ 4.400, as parcelas serão limitadas a 15% da renda, com um desconto adicional de R$ 66.

Isso significa, portanto, que as parcelas se ajustam à capacidade de pagamento das famílias, tornando o financiamento da casa própria menos oneroso.

Um auxílio ainda maior, por parte do governo

Uma das principais mudanças anunciadas, nesse sentido, é que o Governo Federal, através dos Fundos de Arrendamento Residencial e de Desenvolvimento Social do Programa Nacional de Habitação Urbana, agora subsidia uma parte do valor total do imóvel.

Isso deixa um saldo restante menor para ser financiado pelas faixas de renda familiar, especialmente para habitações urbanas.

Trata-se de uma estratégia que é aplicada também às modalidades rural e entidades sem fins lucrativos, com até 10% do total das unidades habitacionais contratadas pelo programa beneficiando-se das novas condições.

Veja também: Jornada de trabalho brasileira terá apenas 4 dias por semana? Entenda!

Expectativas a esse respeito para o ano de 2024

Com as novas regras, o cenário para o decorrer de 2024 é realmente promissor. O governo projeta a contratação de nada menos que 187 mil unidades até o final de fevereiro para famílias com renda de até R$ 2.640.

Além disso, a inovação do chamado FGTS Futuro permitirá que trabalhadores usem créditos futuros do fundo para pagar parte das prestações ou amortizar financiamentos habitacionais, focando em atender os trabalhadores informais de baixa renda.

O Ministério das Cidades também busca ampliar convênios com estados e municípios para aumentar o subsídio à moradia e reduzir o valor a ser financiado na compra da casa própria, especialmente na faixa 1.

Já existem parcerias com estados como o Mato Grosso, e conversas estão em andamento com os estados do Pará e do Maranhão.

Uma meta ambiciosa

A meta é contratar dois milhões de obras até o ano de 2026, com prioridade para famílias de menor renda, visando reduzir o déficit habitacional de seis milhões de moradias no Brasil.

Todas estas mudanças representam um avanço verdadeiramente significativo nas políticas de habitação do Brasil, com potencial para facilitar o acesso à casa própria para milhões de brasileiros.

Aguarda-se que as alterações no programa Minha Casa Minha Vida tragam um impacto positivo duradouro na sociedade, contribuindo para a diminuição do déficit habitacional e promovendo a inclusão social através da moradia digna.

Confira mais: Brasileiros com o nome SUJO podem perder o Bolsa Família? COMUNICADO de fevereiro revela!