Bolsa Família tem inscrições PRESENCIAIS liberadas? Saiba como fazer parte do CadÚnico

A inscrição no banco de dados do Governo Federal é a porta de entrada para diversos benefícios sociais, como a transferência de renda.

Em 2003, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assumia a Presidência da República pela primeira vez. Na época, criou o Bolsa Família. O programa de transferência de renda atende a população mais pobre e se tornou a principal marca de seu governo. Vinte anos depois, o sindicalista inicia o seu inédito terceiro mandato. E com ele, pretende trazer o programa social de volta. 

Em 2021, o ex-presidente Bolsonaro (PL) extinguiu o Bolsa Família. Na ocasião, o capitão criou o Auxílio Brasil, que tem a mesma finalidade da transferência de renda do PT. Com a troca de gestão governamental, os beneficiários ficam em dúvidas sobre como continuar recebendo o benefício. Continue lendo esta matéria para saber como se inscrever na transferência de renda em 2023. 

Bolsa-Família-tem-inscri
A entrada no Bolsa Família acontece através da inscrição no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais) – Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Quem pode se inscrever no Bolsa Família este ano 

Antes de mais nada é necessário explicar quem pode se inscrever na transferência de renda. Conforme já dito antes, o Auxílio Brasil e o Bolsa Família possuem a mesma finalidade. Portanto, os critérios para entrar no programa são os mesmos. De fato,  PT pretende trazer algumas mudanças na transferência de renda, mas a porta de entrada continua sendo o CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal). 

Confira os critérios para se inscrever no programa 

  • Inscrição atualizada no Cadastro Único;
  • Ter como renda mensal familiar até R$ 105,00 per capita (por pessoa);
  • Ter como renda mensal familiar até R$ 210,00 per capita, no caso de famílias com gestantes, lactantes ou integrantes com até 21 anos de idade;
  • Atender aos critérios de condicionalidade (obrigações nas áreas de saúde e educação que o beneficiário deve cumprir). 

Em relação às condicionalidades, em teoria, se mantiveram durante a gestão de Bolsonaro. Na prática, nem sempre era utilizada. Os beneficiários devem deixar a carteira de vacinação dos filhos em dia. Além do mais, crianças e jovens em idade escolar devem ter uma frequência mínima de 75% nas escolas. Por fim, gestantes devem fazer o pré-natal pelo SUS (Sistema Único de Saúde). 

Para receber o adicional de R$ 150,00, a família precisa ter uma criança de até seis anos de idade. Caso exista mais de um integrante com esta faixa etária no núcleo, o extra pode chegar a R$ 300,00. Ou seja, um Bolsa Família de até R$ 900,00. 

Veja também: Atenção MEIs: estas novas MUDANÇAS do Governo irão afetar a classe, saiba como manter-se em dia

Veja como se inscrever no Cadastro Único 

Diante disso, os interessados no Bolsa Família devem se inscrever pelo CadÚnico. O banco de dados do Governo Federal é a porta de entrada para vários benefícios sociais. A inscrição só é feita de forma presencial. A família deve eleger um representante com, no mínimo, 16 anos de idade. 

Este representante deverá comparecer a uma unidade do CRAS (Centro de Referência da Assistência Social). Assim, deverá ter em mãos, um documento pessoal com foto, bem como os documentos de todos os integrantes da família. Uma vez que o cadastro é efetuado, ele recebe o NIS (Número de Inscrição Social). 

É importante salientar que a inscrição no Cadastro Único não garante a entrada no Bolsa Família. 

Veja também: Novas obrigações do Bolsa Família: confira todas as exigências impostas para 2023