Saiba como funcionará a avaliação de cadastros do Bolsa Família e evite PERDER o seu benefício

Como parte da campanha de conscientização que será realizada pelo novo governo, as pessoas que recebem o benefício de forma irregular poderão renunciar ao Bolsa Família voluntariamente.

No primeiro dia a frente da presidência da república o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tomou medidas importantes sobre o futuro do principal programa assistencial do Brasil. Na ocasião, Lula assinou uma medida provisória que manteve o pagamento de R$ 600 e o adicional de R$ 150, para receber os beneficiários vão passar por uma avaliação de cadastros do Bolsa Família.

O novo Ministro do Desenvolvimento Social, Wellington Dias, afirmou que vai reformular o programa e atualizar o Cadastro Único. O objetivo é diminuir as fraudes na concessão do benefício e fazer com que recebam as parcelas as famílias que realmente precisam do valor para o seu sustento.

Dessa forma, algumas pessoas podem ficar de fora e perder o benefício. O trabalho em conjunto vai revisar especialmente o cadastro daqueles que formam as famílias unipessoais, de uma pessoa só, e dedicar uma atenção especial para o critério de renda, tendo em vista que muitos beneficiários possuem remuneração que ultrapassa o limite permitido para fazer parte do Bolsa Família.

Saiba como funcionará a avaliação de cadastros do Bolsa Família e evite PERDER o seu benefício
O Cadastro Único vai passar por revisões e atualizações para corrigir falhas. Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Como vai funcionar a avaliação dos cadastro do Bolsa Família?

A revisão nos cadastros já havia sido anunciada pela equipe de transição do governo eleito. O Ministro do Desenvolvimento Social pretende realizar um trabalho em conjunto que envolve os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), as prefeituras e os governos estaduais na atualização do Cadastro Único.

Wellington Dias afirmou que a missão do novo governo é tirar o Brasil do Mapa da Fome, o que vai passar pela reconstrução da rede de assistência social. Anteriormente ele já havia dito que será disponibilizado um aplicativo para que as pessoas que não se encaixam nos critérios para receber o Bolsa Família renunciem voluntariamente ao benefício.

A ideia é fazer uma campanha de conscientização voltada para a população brasileira que é o público-alvo do programa. A pasta também pretende reestabelecer as condicionalidades e reforçar os critérios que garantem a manutenção dos pagamentos, aprimorando o serviço prestado pelo programa.

Dessa forma, será exigida a atualização do cartão de vacina, a realização do pré-natal das gestantes, o acompanhamento de saúde das mães que amamentam e os comprovantes de matrícula e de frequência escolar das crianças e adolescentes.

Saiba mais: Quando vou RECEBER a parcela do Bolsa Família de janeiro?

Quem será afetado pela reformulação?

Algumas pessoas podem perder o direito ao recebimento das parcelas do Bolsa Família e também o CadÚnico. Um levantamento realizado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) no ano passado já havia identificado irregularidades na concessão do Auxílio Brasil, com um aumento desmedido da quantidade de pessoas solteiras que recebem o benefício.

Dos 21 milhões de beneficiários atuais, estima-se que cerca de 3 milhões podem deixar de receber o benefício. As pessoas que estão com os dados do Cadastro Único atualizados e atendem as regras do Bolsa Família não precisam se preocupar. O foco da reformulação é tornar o programa eficaz no combate a pobreza.

Por isso, as famílias que tiveram mudanças na renda e que são formadas por apenas uma pessoa serão convocadas para comparecerem ao CRAS mais próximo e atualizarem seus dados cadastrais. Essa avaliação nos cadastros do Bolsa Família deve ser concluída em 90 dias.

Saiba mais: Novo Governo já tomou posse! Saiba o que esperar do Bolsa Família a partir de agora