Auxílio para compra de materiais escolares é ANTECIPADO: veja como sacar R$ 573,53

Governo oferece ajuda financeira para quem está cursando cada grau da escola. Valor deve ser gasto em materiais e uniformes.

Os materiais escolares estão cada vez mais caros. Isso é algo que vemos todos os anos mais alto: os valores. Assim, para as pessoas que não possuem um valor mensal alto, arcar com esse pagamento pode ser bem difícil. 

Por esse motivo, o governo oferece uma ajuda de custo para comprar os materiais. Só assim as pessoas podem continuar sem comprometer tanto sua renda. Entenda a seguir como funciona o programa social. 

Auxílio para compra de materiais escolares é ANTECIPADO: veja como sacar R$ 573,53
Conheça o Auxílio Escolar – Imagem: Divulgação

Ajuda para materiais escolares

A Prefeitura de São Paulo está liberando vários pagamentos para adesão de materiais escolares e também uniformes. A opção atende estudantes que estão na rede municipal e está chegando antes da data tradicional este ano. 

O valor estava disponível desde o dia 12, é chega a R$ 573,53 para os uniformes. Já para o kit com materiais chega a R$ 41,26 para as crianças do ensino infantil. Os alunos do ensino fundamental têm direito a R$ 201,28. 

Contudo, os interessados devem solicitá-lo para ter direito ao valor. O processo é simples e rápido. Ele deve ser realizado usando o aplicativo Kit Escola DuePay. Ele pode ser baixado tanto para celulares Android (https://bit.ly/3FJLisa) e também para iOS (https://apple.co/3hlRZag).   

Vale lembrar que quem for responsável pelo pedido precisará ter o CPF cadastrado junto ao sistema escolar da região. Essas informações foram comentadas pela Secretaria de Educação da capital. 

Também é importante salientar que os alunos da educação infantil como do ensino médio têm direito a este kit. Além disso, também podem retirar quem está nas opções de Jovens e Adultos e também nos Centros de Estudo de Língua Paulista. 

Saiba mais: Vagas de ESTÁGIO abertas em quase todo o Brasil; confira os requisitos e como se CANDIDATAR

Como comprar?

Um ponto importante é que apenas quem pode comprar são os responsáveis pelos alunos. O local onde deseja adquirir seu material também é escolhido pelo governo. Para conhecer a lista de endereços consulte o portal em https://bit.ly/3VTXmMU

Ao todo são 280 pontos para vendas físicas dos uniformes. Além de 300 endereços para comprar os materiais. As opções estão disponíveis da educação infantil com tamanhos a partir de quatro anos chegando até o ensino fundamental II. 

Logo o valor oferecido de R$ 573, 53 deve ser gasto em duas etapas. A primeira delas é de R$ 481,59 para as roupas e os outros R$ 91,94 para os calçados. É importante lembrar que a quantia estará disponível para solicitação até outubro do próximo ano. 

Essa é a primeira vez que o órgão para os valores de maneira antecipada. Este ano, ou seja, em 2022, o pagamento foi feito em fevereiro. 

Divisões de valores

As pessoas que tiverem interesse em saber mais detalhes acerca do valor das roupas e materiais, devem conferir a lista. O governo ofereceu uma quantia específica para os grupos de alunos. Observe como foi feita a divisão abaixo. A quantia é de acordo com o ano em que o aluno está cursando:

  • Berçário I e II recebe R$ 41,26 (Educação Infantil)
  • Mini-Grupo I e II recebe R$ 95,53 (Educação Infantil)
  • Infantil I e II recebe R$ 143,94 (Educação Infantil)
  • Ciclo de Alfabetização recebe R$ 166,67 (Ensino Fundamental)
  • Ciclo Interdisciplinar recebe R$ 201,28 (Ensino Fundamental)
  • Ciclo Autoral recebe  R$ 160,63 (Ensino Fundamental)
  • Ensino Médio e ainda Educação de Jovens e Adultos recebe R$ 142,70
  • Centros de Estudos de Línguas Paulistanos (CELPs) recebe R$ 114,34

Já os uniformes deve ser adquiridos da seguinte maneira:

  • Tênis – 1 unidade;
  • Meia – 5 pares;
  • Conjunto (jaqueta e calça) – 1 unidade;
  • Camiseta – 5 unidades;
  • Blusão de moletom – 1 unidade;
  • Bermuda – 1 unidade;

Veja também: Universidade dos EUA está ofertando 1.000 bolsas de estudo em programa brasileiro; faça sua INSCRIÇÃO

Parcela integral de R$ 2 mil para os estudantes do ensino médio

A equipe de transição do governo do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), tem estudado a possibilidade de conceder uma parcela integral de R$ 2 mil para os estudantes do ensino médio. De acordo com a nova gestão, a ideia é incentivar os alunos a continuarem na escola.

Dessa forma, estão sendo estudadas formas de incentivar que os jovens continuem dentro das escolas, de forma a diminuir os índices de evasão escolar. Para isso, a solução encontrada consiste no pagamento de um benefício para este público.

Ainda não existem muitos detalhes a respeito da proposta, isso porque a equipe de transição ainda não informou se a parcela integral será destinada a todos os alunos ou apenas aos que se encontram em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

Os estudantes poderão receber o Bolsa Família?

Ainda não é possível saber se os estudantes vão poder receber o Bolsa Família, que prevê o pagamento de R$ 2.200 em alguns casos. Até então, o pagamentos para os estudantes estava sendo oferecido pelo Auxílio Brasil.

Além da quantia base do auxílio, que deve ser de R$ 600, de acordo com o governo de transição. O programa também busca oferecer outros benefícios, como Auxílio Criança Cidadão que tem como objetivo pagar o valor de R$ 300 para que as crianças frequentem creches com educação infantil.

Outro benefício que o Auxílio Brasil introduziu para os estudantes, mas que ainda não se sabe como ficará a situação em relação ao Bolsa Família, é o Auxílio Esporte Escolar, que é concedido para as famílias que tenham em sua composição estudantes que se destacam em competições oficiais do sistema de jogos escolares brasileiros.

Dicas para economizar na hora de comprar os materiais

O momento de comprar os materiais escolares são um dos mais esperados pelos estudantes, principalmente quando crianças. Isso porque, a êxtase de comprar produtos diferentes, combinando com a personalidade de cada aluno, é um tanto quanto cativante.

Neste sentido, considerando o alto preço do material escolar, existem algumas dicas capazes de fazer com que seja completamente possível economizar muito na hora da compra dos itens. São elas:

  1. Tente reaproveitar materiais dos anos anteriores, como por exemplo, canetas e estojos;
  2. Compre os materiais por parte, visando buscar melhores preços;
  3. Sempre opte por comprar em lugares que oferecem desconto atacado;
  4. Tente comprar livros e uniformes usados;
  5. Sempre opte pelo pagamento a vista, o que pode resultar em um bom desconto;
  6. Se possível, peça ao professor responsável para que faça uma lista escolar para os alunos, comprando apenas o que for necessário;
  7. Opte por sempre comprar os materiais fora de época, como por exemplo, no fim de cada ano;
  8. Evite levar crianças na hora da compra para que seja possível evitar maiores gastos;
  9. Pondere os preços entre diversas lojas;
  10. Confira os sites online

Por fim, é sempre importante organizar-se antes de sair casa, utilizando uma lista contendo os materiais necessários, bem como estipular um valor para realizar a compra.

Quais materiais as escolas podem pedir?

O Procon, eixo do Sistema de Defesa do Consumidor, divulgou recentemente quais itens as escolas não devem pedir para seus alunos. Melhor dizendo, existem alguns materiais em que as próprias instituições de ensino devem arcar com os custos.

Isto é, de acordo com as informações divulgadas pelo Procon, as escolas não podem pedir para que os pais comprem material de uso coletivo. Isso porque, por tratar-se justamente do uso coletivo, deve ser de total responsabilidade das escolas, visando cumprir com as necessidades de seus alunos.

Desse modo, a lista de itens que as escolas não devem pedir na lista de materiais, segue os seguintes itens:

  • Álcool em gel;
  • Algodão;
  • Agenda escolar (das instituições de ensino);
  • Pincéis;
  • Quadro branco;
  • Produtos de limpeza e higiene;
  • Itens para escritórios.

Ademais, em caso de qualquer situação em que as instituições discordem dessas regras, basta entrar em contato com o Procon.