Quem JÁ recebe o Auxílio Brasil vai precisar se cadastrar para receber o Bolsa Família

Novo Governo terá de lidar com dúvidas de milhões de pessoas assistidas pelos programas

Enfim, a PEC da Transição foi aprovada e agora muitas das promessas do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva poderão ser cumpridas. Mas uma dúvida permanece: como usuários do Auxílio Brasil irão se cadastrar para receber o Bolsa Família no próximo ano? Saiba mais detalhes no artigo abaixo.

auxílio brasil bolsa família cadastrar
Como será a transição do Auxílio Brasil para o Bolsa Família? – Imagem: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Como será a transição do Auxílio Brasil para o Bolsa Família?

Muito se questiona como será a transição dos dois principais programas sociais já existentes no país: Auxílio Brasil e Bolsa Família. Isso porque após a aprovação no Congresso Nacional é inevitável que a mudança irá ocorrer.

Desde 2021, o Auxílio Brasil tomou o lugar de seu antecessor, consolidado a 18 anos no coração dos brasileiros, e hoje atende a mais de 21 milhões de famílias. Mas à época não aconteceu nenhuma grande inclusão ou recadastramento de segurados e assim sendo, o governo de Jair Bolsonaro apenas redirecionou os beneficiários do Bolsa Família.

No entanto, não parece que novamente será preciso cadastrar usuários do Auxílio Brasil para o Bolsa Família visto que alguns critérios ainda permanecerão como veremos a seguir.

Veja também: Veja como CONSULTAR o Bolsa Família de R$ 600,00 usando o seu CPF

Cadastro Único segue como requisito

Evidentemente, um requisito que permanece como indispensável é o registro regularizado no Cadastro Único (CadÚnico). A principa porta de entrada será mantida para o Bolsa Família em 2023. Dessa maneira, quem ainda não faz parte do sistema, deve procurar urgentemente o Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) mais próximo da sua região para ficar pronto quando as regras de elegibilidade forem divulgadas.

A saber, o CadÚnico é o banco de dados mais completo do Governo Federal e reúne informações da população vulnerável socioeconomicamente do Brasil e já está disponível nos formatos digitais através de site ou aplicativo como podemos ver no endereço www.gov.br/cidadania/pt-br/cadunico. Porém, é imprescindível o cadastro ativo e atualizado para ter direito ao Bolsa Família 2023.

Além disso, é preciso que a família apresente uma renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa ou até três como renda familiar. Caso isso esteja preenchido, basta procurar o CRAS e realizar o procedimento.

Por fim, para se inscrever no CadÚnico é preciso ficar atento aos detalhes abaixo:

  • Ter uma pessoa que será responsável pela família para responder às perguntas dos agentes que farão o cadastro;
  • Tal pessoa deve ter 16 anos ou mais, fazer parte da família e morar na mesma casa, de preferência mulher;
  • Para casos de responsáveis em famílias indígenas e/ou quilombolas, pode ser apresentado tanto o CPF como o Título de Eleitor.

Já para o grande números de grupos familiares brasileiros, é obrigatória apresentar ao menos um dos documentos a seguir de absolutamente todos os integrantes da família. São eles:

  • Certidão de Nascimento;
  • Certidão de Casamento;
  • CPF;
  • Carteira de Identidade (RG);
  • Certidão Administrativa de Nascimento do Indígena (RANI);
  • Carteira de Trabalho;
  • Título de Eleitor;
  • Comprovante de residência atualizado.

Após isso, basta aguardar ser selecionado pelo Ministério da Cidadania.

Veja também: Programa ‘Mais Bolsa Família’ em 2023? Conheça o projeto que prevê R$ 600 para TODOS os brasileiros