Brasileiros já estão comemorando a alteração no PIX anunciada por Haddad

Modalidade de transação financeira se tornou febre entre os usuários; saiba tudo que vai mudar!

Desde o seu lançamento, o PIX tornou-se um sucesso entre os brasileiros. A facilidade de transferir dinheiro sem qualquer taxa, em tempo real, é exatamente o que as pessoas queriam e precisavam. No entanto, os usuários devem ficar atentos à alguma alteração na sua funcionalidade anunciadas pelo Ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT).

De acordo com um estudo da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), o PIX é a forma de pagamento mais utilizada no território nacional, superando o TED, o DOC e até mesmo o saque. Saiba mais abaixo.

Alteração no PIX pode beneficiar brasileiros? – Imagem: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

Uso do PIX é maior do que qualquer outro serviço bancário

Um aumento de 800% na quantidade de cidadãos que realizam cerca de 30 transferências rápidas como essas por mês indica que qualquer mudança na modalidade afetará muitas pessoas. Fernando Haddad anunciou que a funcionalidade será utilizada para operações e transações de crédito em todo o Brasil no segundo semestre. Ele afirmou que não há nada fora da agenda do Banco Central.

Embora certos bancos, como o Nubank e o PicPay, já ofereçam a modalidade para seus clientes, a mudança é que haverá uma padronização em todo o país. Parece que 2023 será um bom ano para o PIX, pois além da funcionalidade de crédito, outras também ficarão disponíveis. O PIX automático terá um impacto grande no débito em conta de pagamentos recorrentes.

Além disso, as transferências poderão ser feitas por aproximação através da tecnologia NFC. As transações também poderão ser feitas entre contas internacionais em países parceiros. Em um futuro próximo, as transferências poderão ser feitas offline, e o PIX garantido, uma forma de parcelamento de transações, também está sendo estudado.

Veja também: Agora é possível parcelar o PIX em até 72 VEZES: como faço para fazer isso?

Alteração no PIX cria novas regras

Já a partir de fevereiro, os usuários do PIX verão as seguintes mudanças:

1) Limites:

Não haverá mais limite de transações com o PIX, ou seja, os bancos não terão a obrigação de estabelecer um limite de valor por transferência, mas devem determinar um limite por período de tempo. Portanto, quem tem um limite diário de R$ 2.000, por exemplo, poderá usar todo esse valor em uma única transação.

Além disso, nada mudará para aqueles que desejam solicitar mudanças em seus limites. Se o pedido for de redução do limite, o banco deve atender imediatamente. Se for de aumento do limite, a autorização deve ser recebida em um período entre 24 e 48 horas.

2) Período noturno:

Os bancos poderão permitir que seus clientes personalizem o limite durante o horário noturno, desde que a mudança seja para reduzir a margem. De modo geral, a mudança acontece entre as 20h e 6h, mas será possível alterá-la para o horário das 22h às 6h.

3) PIX Saque e PIX Troco:

Por fim, outra mudança está relacionada às modalidades do serviço, o PIX Saque e o PIX Troco.

Com a mudança, o valor limite para resgate foi alterado:

  • Durante o dia: passa de R$ 500 para R$ 3.000;
  • Durante a noite: passa de R$ 100 para R$ 1.000.

Quais bancos permitem pix com o cartão de crédito?

O pix com o limite do cartão de crédito é uma boa alternativa para aqueles que precisam do dinheiro na hora, mas não têm disponível na conta. Portanto, para confirmar o pagamento via pix, basta que seu banco aceite a modalidade e que você tenha limite disponível no cartão. Confira quais bancos aceitam a transação:

  • Nubank;
  • RecargaPay;
  • Digio;
  • Banco BV;
  • PicPay.

Vale lembrar que essa modalidade funciona como se fosse um empréstimo, então os bancos normalmente cobrarão algumas taxas ou juros referentes aos valores que forem concedidos. Para saber se vale a pena, avalie anteriormente ao fazer uma simulação.

Fiz um PIX errado, e agora?

Apesar de ser uma situação um tanto quanto desagradável, é comum que boa parte das pessoas já tenha realizado um PIX por engano. Quando isso acontece, a primeira reação dos indivíduos é de desespero, porém, é necessário pontuar que existem algumas medidas a serem tomadas.

Primeiramente, caso o PIX tenha sido enviado para alguém conhecido, o processo é bem simples. Como é de se imaginar, basta solicitar que a pessoa devolva o valor. Além disso, também é possível solicitar o cancelamento do PIX pelo banco destino.

Agora, por outro lado, caso o PIX tenha sido enviado para um desconhecido, a situação é um tanto quanto mais complicada. Isso porque, a partir do momento que o PIX é realizado, a responsabilidade do dinheiro vai para o banco destino.

Desse modo, a primeira coisa a ser feita é entrar em contato com o banco em questão em busca de ajuda. Em alguns casos, é possível solicitar o estorno no banco de origem, como por exemplo, em situações de golpe.

Por fim, uma alternativa também pode ser utilizar a chave PIX do destinatário para solicitar o valor de volta.

Saiba como fazer um PIX em até 72x

Se engana aqueles que acreditam que, no momento atual, só é possível fazer um PIX tendo saldo positivo em conta. Melhor dizendo, os consumidores agora já podem contar com a funcionalidade de realizar um PIX utilizando o cartão de crédito.

Além disso, também é possível contar com o parcelamento do valor do PIX. Esse é justamente o caso da novíssima atualização proposta pelo Itaú Unibanco. De acordo com o banco, os usuários poderão enviar PI em 72 vezes, contando com taxas de juros a depender do valor da transação.

Outro ponto importante, é que o PIX via cartão de crédito está disponível para todas as transferência acima de R$ 80 reais. Para utilizar a nova ferramenta, portanto, basta entrar em contato direto com o Itaú Unibanco (bityli.com/IgG6y).

Vírus do PIX

Por fim, quem usa o “pagamento do momento” deve ficar atento. Apesar de ser considerado muito seguro, o PIX pode trazer algumas armadilhas de fora.

De acordo com o portal ThreatFabric, alguns bancos foram afetados pelo vírus BrasDex. Esse vírus usa golpes com malwares que permitem acesso de dados de dispositivos que podem ir fundo nos golpes. A informação é do portal Tudocelular.com.

Segundo a matéria, pelo menos 10 instituições financeiras foram afetadas por esse problema. Com isso, pelo menos mil golpes foram aplicativos movimentando muito dinheiro. Ao que tudo indica, entre os bancos afetados estão: Inter, Itaú, Santander, BB, Nubank.

A saber, esse tipo de problema se instala no aparelho de usuários usando um golpe antigo: o ‘pishing’. Essa técnica é uma espécie de “pescaria” usando mensagens falsas via WhatsApp, e-mails e mais.

Ou seja, a dica é: evite clicar em mensagens que você não reconhece. Lembra que seu banco entra em contato direto com você, não por WhatsApp ou outro app.

Veja também: Saiba como ALTERAR o seu limite PIX de forma simples e prática; medida pode ser eficaz na segurança