A nova MOEDA COMUM do Mercosul irá substituir o real? Tire suas dúvidas!

Lula ao visitar a Argentina abordou o assunto demonstrando interesse em fazer uma união com o país vizinho; saiba mais

De antemão o atual presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ao visitar  a Argentina recentemente, conversou com o presidente Alberto Fernández, sobre a possibilidade de ambos os países terem uma moeda comum.

Contudo essa possibilidade para alguns especialistas melhoraria a situação tanto do Brasil, quanto da Argentina que não dependeria tanto do dólar, em contrapartida outros acreditam que uma moeda única iria beneficiar especialmente a Argentina.

A nova MOEDA COMUM do Mercosul irá substituir o real? Tire suas dúvidas!
Uma moeda em comum com a Argentina fortaleceria a relação dos dois países
Crédito: @jeanedeoliveirafotografia / pronatec.pro.br

A nova moeda seria utilizada para transações comerciais

Se essa medida for acatada não vai tirar o real de circulação, será uma moeda complementar que terá como principal finalidade, melhorar a situação econômica do país. Além da moeda favorecer o comércio entre Brasil e Argentina também  ofereceria vantagens para todos os países que fazem parte do Mercosul.

Veja também: Moeda Sur, Mercosul ou Peso Real: dinheiro entre Brasil e Argentina vai mesmo existir?

Uma moeda em comum, fortalece a união dos países envolvidos!

Em meio à discussão, o atual presidente  chegou a citar e defender uma moeda comum entre os Brics (Rússia, Índia, Brasil, China e África do Sul) , alegando a partilha da mesma moeda, com esses países iria fazer com que diminuísse cada vez mais a dependência do dólar americano.

O ministro da Fazenda Fernando Haddad, que demonstra preocupação com a economia do país, defende a moeda em comum com a Argentina e acredita que com essa união o Brasil só tem a ganhar.Segundo o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Gabriel Galípolo, os brasileiros não precisam se preocupar, pois a nova moeda não vai substituir o real.

Enquanto que para o professor e coordenador do curso de MBA de Gestão Estratégica e Econômica de Negócios da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Mauro Rochlin, se posicionou como cético  diante a moeda comum entre o Brasil e Argentina, por conta da possibilidade de variação inflacionária do peso argentino.

Leia mais: Governo Lula pode estar negociando a criação de uma nova moeda sul-americana; real vai ACABAR?

Qual a finalidade da moeda entre os dois países?

O principal objetivo da existência dessa  moeda em comum entre os dois países, é que ela seja proeminente em transações comerciais entre  Brasil e a Argentina, fazendo com que não seja necessária a comercialização em dólar. 

De acordo com o Professor da Mackenzie (RJ), Kaiser Motta Lucio de Morais Júnior da Mackenzie , a utilização da moeda comum não apagará a existência das demais moedas. Muito pelo contrário, a união além de ser vantajosa comercialmente para os dois países, também vai aumentar o intercâmbio comercial. 

Veja abaixo os países que aderiram a unificação de moedas: 

O franco CFA da África Ocidental, é unificado por oito países: Benin, Burkina Faso, Guiné-Bissau, Costa do Marfim, Mali, Níger, Senegal e Togo.

O franco CFA da África Central, que tem incluído no grupo 6 países : Gabão, Chade, República do Congo, República Centro-Africana, Guiné Equatorial e Camarões.

E o dólar do Caribe Oriental, que é compartilhado em um grupo formado por 8 países : Anguilla, Antígua e Barbuda, Dominica, Granada, São Cristóvão e Nevis, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas e Montserrat. 

Por fim veja também: Fim da Moeda Brasileira? Brasil e Argentina planejam moeda comum na América Latina